Epitácio Pessoa/Estadão
Epitácio Pessoa/Estadão

Megaoperação da PM usa pelotão ninja, isola black blocs e prende 230

Protesto deixou oito feridos e teve mais de mil manifestantes, um deles levava uma mochila com coquetel molotov; PM iniciou revista na saída do Metrô; policiais detiveram ativistas com golpes de artes marciais; houve depredação no centro de SP

Bárbara Ferreira Santos e Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

22 de fevereiro de 2014 | 23h48

SÃO PAULO - O protesto Não Vai Ter Copa terminou com 230 detidos na noite de deste sábado, 22 - o maior saldo de prisões em manifestações. No centro de São Paulo, houve quebra-quebra e agressões feitas por manifestantes e por policiais militares. Os participantes do ato foram cercados e detidos pelos integrantes do pelotão ninja, o grupo de policiais especializados em artes marciais.

Às 23h30 deste sábado, 37 detidos foram liberados do 4.º Distrito Policial (Consolação).

A nova estratégia da PM era apoiada pela Tropa de Choque e por um helicóptero. O objetivo era isolar os black blocs dos demais manifestantes. Pelo menos oito pessoas ficaram feridas - cinco PMs, dois ativistas e um jornalista.

O tumultuo começou às 19h30. Os PMs cercaram um grupo de manifestantes na Rua Xavier de Toledo, no centro. No momento da detenção, nenhum deles estava cometendo vandalismo. A PM, porém, informou que só agiu após os primeiros atos de depredação.

Os policiais apanharam os manifestantes com golpes de artes marciais, como o chamado "mata leão", e desferiram golpes de cassetete. Eles retiravam um a um os manifestantes do meio do grupo. Até uma mulher sem máscara foi imobilizada pelos PMs e jogada ao chão.

A ação dividiu os manifestantes em dois grupos. Uma parte deles, formada principalmente por black blocs, correu para o Viaduto do Chá, quebrando lixeiras, depredando duas agências bancárias e orelhões. Também atacaram PMs com paus e garrafas. O segundo grupo voltou à Praça da República, local de origem do protesto, e caminhou pacificamente para a Rua da Consolação.

Enquanto isso, os policiais reuniam os detidos na Rua Xavier de Toledo, entre as Rua 7 de Abril e o Viaduto do Chá. Um cordão de isolamento dos PMs impedia que qualquer pessoa visse ou filmasse o que estava acontecendo com os detidos.

Todos foram obrigados a aguardar sentados a chegada de cinco ônibus que os conduziram a 7 delegacias, onde foi feita uma triagem para que a polícia decidisse quem seria autuado em flagrante - entre os detidos, havia cinco jornalistas que estavam trabalhando.

Mais tarde, a PM deteve mais 50 pessoas no Vale do Anhangabaú, entre elas uma repórter do Estado. Segundo a PM, os manifestantes detidos tinham máscaras, sprays, estilingues, bolas de gude e correntes.

No 78.º Distrito Policial havia 30 detidos. Segundo o advogado André Zanardo, do Coletivo Advogados Ativistas, a polícia fez um Boletim de Ocorrência coletivo acusando todos de desacato, resistência, desobediência e lesão corporal. "Não há nenhuma lei que ampare essas detenções", disse.

Barreira. Ao todo, cerca de mil manifestantes participaram do protesto. A PM não informou o total de homens que ela mobilizou. O ato havia começado às 17h. Os PMs haviam montado uma barreira na saída das estações do Metrô no centro e revistavam as mochilas de quem saía de lá. Um manifestante abandonou uma mochila com coquetel molotov dentro e foi filmado por câmaras do Metrô. Pessoas que passavam também relataram agressões feita por PMs.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.