Medida vai na mesma direção de programa do governo federal

Primeiramente, é preciso fazer a ressalva de que a situação do Brasil em relação a médicos é diferenciada, pois faltam profissionais no País como um todo, inclusive no Estado de São Paulo. É lógico que o problema paulista não é tão grave como locais da Região Norte, por exemplo, mas o governo estadual tem de tomar medidas de acordo com a sua realidade.

ANÁLISE: Leonardo Avritzer, É CIENTISTA POLÍTICO DA UFMG, ANÁLISE: Leonardo Avritzer, É CIENTISTA POLÍTICO DA UFMG, O Estado de S.Paulo

07 Setembro 2013 | 02h06

Tentativas como colocar mais residentes no interior ecoam com a própria iniciativa do governo federal. Boa parte das residências é pública, mas não tem nenhum papel na redução do problema da saúde pública. As medidas anunciadas pelo governo paulista são uma tentativa de não deixar somente nas mãos do governo federal a tarefa de criar alternativas, mas apontam exatamente para a mesma direção.

No Brasil, muitos dos profissionais se beneficiam do dinheiro público em sua educação e especialização, e agora passam a ter mais obrigações em relação à saúde pública. Faz sentido que desempenhem maior papel nesse setor.

Do ponto de vista da opinião pública, o programa Mais Médicos enfrentou basicamente três momentos. No começo, houve oposição absoluta, talvez pela pouca clareza sobre o que seria feito e a aposta apenas na criação de mais cursos. Depois, apesar de ainda haver muita oposição, o projeto ganhou desenho mais adequado ao trazer médicos do exterior, o que é feito em outros países, para suprir a carência no interior. Por fim, com as reações desastrosas na chegada dos estrangeiros, é possível observar que o governo paulista quis mostrar uma iniciativa na mesma direção.

Ao se opor à criação de novos cursos, o grupo de profissionais da área médica vai de encontro à doutrina de livre mercado, de oferta e procura. A classe médica deve negociar com o governo e concordar que existem problemas, como o fato de que há prefeituras pagando R$ 35 mil por mês para ter um médico. E o governo também terá de negociar, pois não vai conseguir que seja um programa bem-sucedido se for contra a classe médica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.