Medida me parece fadada ao fracasso

Análise: Renato Cymbalista

É PROFESSOR DE HISTÓRIA DA URBANIZAÇÃO, DO URBANISMO DA FAU-USP, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2012 | 03h03

As tensões entre o Estado e o comércio de rua não são exclusividade do nosso tempo nem das nossas cidades. A ideia da repressão e extinção definitiva do comércio de rua, que já foi tentada diversas vezes, me parece fadada ao fracasso. Já se experimentou instalá-los em camelódromos, o que não funciona por uma razão simples: a lógica é a de o comércio de rua ir aonde estão os clientes, e não o contrário.

O comércio de rua atende bem a algumas situações. Alguém acredita que grandes eventos como a Virada Cultural, a Parada GLBT ou a Marcha para Cristo poderiam existir sem ele? Há elementos, porém, que devem ser combatidos: o contrabando, a exploração do trabalho infantil, as redes de corrupção, a sonegação de impostos. Problemas complexos exigem soluções bem pensadas.

Mais do que um tumor a ser extirpado, trata-se de condição inerente à cidade, que deve ser manejada com atenção especial aos direitos dos vendedores, população vulnerável.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.