Medida abre espaço a políticas públicas

A aprovação das metas é um grande avanço, uma vez que o nosso padrão estava congelado havia muitos anos. Somos os primeiros no mundo a adotar esses padrões, definidos em 2005 pela Organização Mundial de Saúde.

Paulo Saldiva, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2011 | 00h00

As políticas públicas hoje são claras, mas o padrão antigo era um entrave. O problema da cidade de São Paulo, em especial, é difícil - são mais de 7 milhões de veículos. Em Cubatão, por exemplo, mexer nos poluentes acima do limites é mais simples nas indústrias. Já aqui, por que investir em tecnologia para um combustível menos poluente se os indicadores mostram que o ar é bom quase todo dia? Agora, aquilo que era considerado verdinho vai ficando amarelo. A medida prepara a cidade para pensar em ações mais compatíveis com o que se pode realizar. Só gostaria que as metas tivessem prazos menores.

MÉDICO, COORDENADOR DO LABORATÓRIO DE POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA DA USP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.