Médicos de Taubaté vão a júri hoje por homicídios durante transplantes de rim

Segundo denúncia do MP, os acusados usavam diagnósticos falsos de morte encefálica para extrair os órgãos dos pacientes

Solange Spigliatti, do estadão.com.br,

17 Outubro 2011 | 09h59

SÃO PAULO - Começa nesta segunda-feira, 17, o julgamento de três médicos de Taubaté, no Vale do Paraíba, acusados de terem provocado a morte de quatro pacientes durante cirurgias para transplantes de rim, entre setembro e dezembro de 1986.

Também foram denunciados pelos mesmos crimes os médicos Antônio Aurélio de Carvalho Monteiro, que faleceu no ano passado, e José Carlos Natrielli de Almeida, que acabou impronunciado a pedido do Ministério Público.

Os médicos Pedro Henrique Masjuan Torrecillas, Rui Noronha Sacramento e Mariano Fiore Júnior irão a júri popular em Taubaté, acusados de quatro homicídios dolosos contra os pacientes Miguel da Silva, Alex de Lima, Irani Gobo e José Faria Carneiro, que morreram entre setembro e dezembro de 1986.

Segundo denúncia do Ministério Público, os médicos usavam diagnósticos falsos de morte encefálica para extrair os rins dos pacientes, para fins de transplante. Depois da operação, o neurocirurgião e legista Mariano Fiori concluía como causa mortis exclusivamente as lesões cerebrais experimentadas pelas vítimas (traumatismo craniano, raquimedular ou aneurisma), ocultando a causa direta e eficiente das mortes: a retirada dos rins dos pacientes.

Os prontuários médicos e os laudos das angiografias cerebrais relativos a esses pacientes foram apreendidos e submetidos à análise de peritos, que concluíram que as vítimas não tinham diagnóstico seguro de morte encefálica apta a amparar a realização das cirurgias nefrectomias bilateriais (retirada dos rins).

O plenário do júri popular será realizado pelo promotor de Justiça Márcio Augusto Friggi de Carvalho, integrante do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Mais conteúdo sobre:
médicos júri rim taubaté

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.