Reprodução
Reprodução

Médico baleado em SP participou da 1ª cirurgia por robótica do País

Anuar Ibrahim Mitre é um dos pioneiros na técnica de laparoscopia; notícia de crime chocou os colegas de profissão

Fabiana Cambricoli, Juliana Ravelli e Paula Félix, O Estado de S. Paulo

15 Setembro 2014 | 22h07

SÃO PAULO - O urologista Anuar Ibrahim Mitre, de 65 anos, atingido por três disparos em seu consultório nesta segunda-feira, 15, é um dos pioneiros na técnica de laparoscopia, que passou a ganhar destaque no Brasil no fim da década de 1990. Esteve também à frente da primeira cirurgia urológica realizada por robótica no Brasil junto do urologista Miguel Srougi. A operação aconteceu em março de 2008 no Hospital Sírio-Libanês. Na ocasião, dois pacientes foram submetidos a procedimentos de prostatectomia (extração total ou parcial da próstata). 

Professores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), os especialistas disseram que o procedimento inaugurava no País um novo conceito de cirurgia, minimamente invasivo, causando grande impacto para os brasileiros.


Mitre também integrou a equipe médica que operou o ex-governador Mario Covas, morto em março de 2001 após longa batalha contra o câncer. Em dezembro de 1998, Covas se submeteu a uma operação de nove horas para retirada da bexiga, próstata, gânglios e vesículas seminais para combater o câncer descoberto na bexiga.

Além de integrar o corpo clínico do Sírio-Libanês, Mitre é membro do conselho consultivo do Instituto de Ensino e Pesquisa do hospital e professor da Faculdade de Medicina de Jundiaí. É ainda integrante do departamento de laparoscopia da Sociedade Brasileira de Urologia. Ontem, a sociedade lamentou o ataque contra Mitre e destacou a importância do urologista para a especialidade e para a formação de outros profissionais. “Cabe-nos, nesse momento, lamentar profundamente o ocorrido e torcer pelo pronto restabelecimento do nosso querido Dr. Anuar, homem e médico que todos nós, da comunidade urológica, admiramos.” 

A notícia chocou os colegas de profissão do médico, que ressaltaram suas qualidades. “Ele é um dos maiores especialistas da área de urologia. Começou a carreira no Sírio”, contou Gonzalo Vecina Neto, superintendente corporativo do hospital.

Professor de urologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e médico do Hospital Albert Einstein, Cassio Andreoni também expressou admiração pelo especialista. “Sempre nos encontramos em congressos, voos, aulas. É uma pessoa de extrema competência profissional e de grande caráter”, disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.