RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS
RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS

Trio assalta, atropela, arrasta e mata médica na zona sul de São Paulo

Vítima estava a caminho de casa e não reagiu ao assalto; ela foi atropelada depois de descer e ficar atrás do carro

Bruno Ribeiro e Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2018 | 11h50
Atualizado 06 Setembro 2018 | 22h00

SÃO PAULO -  Uma médica de 57 anos foi morta durante uma tentativa de roubo em uma avenida na região do Jabaquara, zona sul de São Paulo, na noite desta quarta-feira, 5. Segundo a Polícia Civil, ela morreu ao ter o corpo arrastado, preso ao próprio automóvel, quando dois dos assaltantes tentavam fugir de policiais militares que buscavam impedir o assalto. Um adolescente de 15 anos, suspeito de participar do crime, foi detido. 

Segundo a polícia, Maria Eliza Calippo Aquino de Alencar estava voltando de um plantão, por volta das 20h30, quando foi dominada na Avenida Lino de Moraes Leme. Ela estava parada no semáforo do cruzamento com a Avenida João Pedro Cardoso, sozinha. 

Ainda de acordo com a polícia, três rapazes a atacaram. Imagens captadas por câmeras de segurança, apreendidas pela polícia e divulgadas pela TV Globo, mostram que, antes de avançar na direção do Renault Logan que Maria Eliza ocupava, o trio tentou chegar primeiro ao motorista de outro veículo, que estava atrás do da médica. Mas ele percebeu a ação e deu marcha à ré, escapando dos assaltantes. O trio foi, então, para o veículo de Maria Eliza.

Quando o grupo anunciou o assalto, a médica desceu do Logan e foi para longe do carro. Na sequência, o veículo arrancou, mas deu de frente com um carro da Polícia Militar que fazia patrulhamento. Os PMs perceberam a ação e, na hora, um dos assaltantes pulou do veículo, fugindo a pé. 

Os outros dois também tentaram escapar da polícia, dando marcha à ré. Nisso, atropelaram a médica, mas não pararam o veículo – até colidirem com uma guia. Ao ser atingida, Maria Elisa foi arrastada pelo assoalho do veículo por alguns metros. Quando o corpo se desprendeu, ela ficou caída na rua.

Segundo o boletim de ocorrência, os PMs só perceberam o que havia ocorrido com a médica quando a viram desacordada, deitada na via, já depois de o carro dos suspeitos parar. O veículo parou porque, na tentativa de fuga, o motorista bateu em uma guia de rua, colisão que estourou um pneu. 

O segundo ocupante do carro também conseguiu escapar, mas o adolescente, não. Ao registrar o caso, os PMs informaram ter encontrado com o jovem a réplica de um revólver e um celular. Ambos os objetos foram apreendidos e encaminhados para perícia. Os outros dois suspeitos foram identificados por apelidos e são procurados pela Polícia Civil.

Atendimento

Maria Eliza chegou a ser atendida pelo resgate do Corpo de Bombeiros, chamado pelos PMs, e foi levada ainda viva para o Hospital São Paulo, também na zona sul da capital paulista. Mas ela morreu pouco tempo depois de dar entrada no centro médico. 

A médica trabalhou até 2013 em postos de saúde da Prefeitura na região sul. Nesta quinta-feira, 6, o crime repercutiu nas redes sociais. Pacientes da Unidade Básica de Saúde (UBS) do Jardim Nakamura, na mesma região onde ela trabalharia como funcionária terceirizada, lamentaram a morte e a descreveram como “excelente médica e carinhosa com seus pacientes”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.