M'Boi terá 13 vezes mais verba do que Pinheiros até 2017

Plano Plurianual da Prefeitura destaca investimentos em bairros periféricos e com pouca infraestrutura

O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2013 | 02h19

A atual gestão estabeleceu diferentes investimentos até 2017 nas subprefeituras. O bairro do M'Boi Mirim, na zona sul, por exemplo, receberá 77 vezes mais dinheiro para projetos do que Sapopemba, na zona leste, conforme o novo Plano Plurianual (PPA).

Sem considerar despesas relacionadas a custeio, M'Boi Mirim terá um investimento previsto de R$ 4,2 bilhões até 2017. Só no ano que vem, os projetos orçados para o bairro chegam a R$ 1,3 bilhão, mais do que orçamento de 2014 da cidade de Diadema, na Grande São Paulo.

Em melhorias da mobilidade urbana no distrito serão R$ 396 milhões, mais do que Itaquera, na zona leste. O bairro que receberá a Copa do Mundo terá R$ 316 milhões para gastar em mobilidade em 2014, de um total previsto de R$ 473 milhões.

Uma das regiões mais carentes da cidade, M'Boi Mirim é uma das que elegeram Haddad com mais de 70% dos votos no segundo turno das eleições.

A maioria da verba vai para bairros com características semelhantes: periféricos e precários em indicadores e infraestrutura.

A segunda área em investimentos é Capela Socorro, também na zona sul, com R$ 3,6 bilhões para os próximos quatro anos -R$ 1 bilhão para 2014. A região também é a segunda em investimentos com melhoria em mobilidade no ano que vem, um montante de R$ 388 milhões, muito mais do investimento total programado para a área de algumas subprefeituras até 2017.

Menos investimentos. O bairro com menor verba prevista para os próximos anos é o da recém-criada Subprefeitura de Sapopemba, com R$ 54 milhões. Vila Prudente, na mesma região, vem logo atrás, com projetos estimados em R$ 78 milhões.

Os bairros do centro expandido, principalmente a zona oeste, são os que receberão menos verba. Pinheiros, por exemplo, terá R$ 313 milhões nos próximos quatro anos. A Lapa terá mais, R$ 845 milhões, e a Sé, R$ 811 milhões.

De acordo com o orçamento do ano que vem, a região que mais receberá dinheiro para moradia será o Campo Limpo, na zona sul, com R$ 86,6 milhões. Logo atrás vêm Jabaquara, na zona sul, com R$ 67 milhões, e São Mateus, na região leste, com R$ 63 milhões.

Pirituba, na zona norte, aparece como o bairro com mais dinheiro investido em ações de saúde, um total de R$ 39 milhões, seguido por Capela do Socorro (R$ 38,7 milhões).

Orçamento. O orçamento de Haddad para os próximos anos destaca o investimento em Saúde, Educação, Habitação e Mobilidade. No geral, a área da Saúde é que vai receber mais investimentos até 2017, R$ 25 bilhões. Para 2014, serão R$ 6,2 bilhões. Nesse pacote, estará a construção de três hospitais, promessa de campanha do atual prefeito.

Em 2014, a administração pretende gastar R$ 39 milhões na construção e reformas de unidades, com verbas de recursos municipais, e mais R$ 235 milhões para operação, reforma e manutenção de hospitais, com recursos federais ou estaduais.

A previsão de gasto com mobilidade urbana vem logo atrás. A estimativa de investimentos até 2017 é de R$ 24 bilhões - R$ 5,5 bilhões para o ano que vem.

Pelo Plano Plurianual, a pasta está à frente da Educação, área na qual Haddad trabalhou como ministro. O investimento no programa de melhoria da qualidade e ampliação ao acesso à educação será de R$ 21,5 bilhões. A previsão de investimentos na área em 2014 é de R$ 5,5 bilhões.

Coleta seletiva. Outra área com altos investimentos programados para os próximos quatro anos é a coleta seletiva. Serão R$ 2 bilhões em 2014 - e um total de R$ 8,8 bilhões até 2017. / ARTUR RODRIGUES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.