M'Boi Mirim terá faixa reversível para ônibus

Após protesto de usuários do transporte público, Secretaria cria pista extra nos horários de pico para melhorar congestionamento

Renato Machado, O Estadao de S.Paulo

22 Março 2010 | 00h00

A Secretaria Municipal dos Transportes (SMT) vai criar faixas reversíveis para ônibus, na tentativa de melhorar a velocidade do transporte coletivo na cidade de São Paulo. Trata-se de um corredor móvel para esses veículos instalados somente nos horários de pico, onde normalmente existe uma faixa de tráfego normal - no sentido contrário de circulação. A primeira experiência será no corredor M"Boi Mirim, na zona sul da cidade, no início de abril.

A decisão de criar a faixa reversível foi tomada após uma reunião na quinta-feira passada entre técnico da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e da São Paulo Transportes (SPTrans). A medida foi publicada no Diário Oficial da Cidade. Dependendo do resultado, a medida vai ser implantada em outros pontos da capital, segundo a Secretaria Municipal dos Transportes.

A faixa reversível do corredor M"Boi Mirim vai funcionar no sentido centro-bairro de segunda a sexta-feira, das 6 às 8 horas. Os ônibus ganharam um espaço exclusivo de circulação na Estrada do M"Boi Mirim, entre a Rua José de Barros Magaldi e a Rua Amaro Velho. No total, a via segregada terá 1,5 quilômetro de extensão - tachões e grandes cilindros vão fazer a separação dos demais veículos.

Acessos. Será necessário construir dois acessos para que os ônibus cruzem o canteiro central, um para entrar na faixa e outro na saída. A SMT estima que 176 ônibus por hora utilizem a faixa reversível, enquanto outros 300 vão trafegar pelo corredor já existente neste trecho.

"Tudo que vem para melhorar o desempenho do transporte público é bem-vindo", diz o professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) Jaime Waisman. Ele afirma que as faixas reversíveis melhoram o desempenho dos ônibus e eventualmente pioram o tráfego dos demais veículos, que perdem uma faixa de circulação. Segundo o professor, essa situação pode trazer novos usuários para os coletivos.

No entanto, Waisman diz que a criação de faixas reversíveis se trata de uma medida paliativa e que os benefícios se esgotam rapidamente. "A Prefeitura precisa retomar a política de corredores de ônibus, porque são as grandes extensões em faixa segregada que trazem rapidez e conforto aos usuários e estimulam o uso do transporte coletivo."

No caso de M"Boi Mirim, a faixa reversível vai servir como um auxílio a um corredor que já está sobrecarregado. Próxima ao Terminal Guarapiranga, um grande gargalo se forma nos pontos, sendo que os ônibus não conseguem desenvolver um ritmo constante e os passageiros não conseguem entrar nos coletivos, superlotados. Na última quarta-feira, um protesto de cerca de 200 pessoas fechou a Estrada de M"Boi Mirim por melhorias no transporte.

PARA LEMBRAR

Manifestação interditou parte da via

Na semana passada, um protesto por melhorias no transporte público interditou parte da Estrada do M"Boi Mirim e provocou congestionamento nas vias da região. Após quase seis horas, cerca de 200 manifestantes conseguiram do subprefeito Beto Mendes a promessa por soluções. A Prefeitura informou que planeja para 2014 um sistema de monotrilho para ligar o Terminal Jardim Ângela ao de Santo Amaro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.