Mau tempo triplica índice de atraso de voos no País

Cumbica, Brasília, Galeão e Curitiba estão entre os aeroportos mais afetados; novo sistema deve melhorar a troca de dados

NATALY COSTA, O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2012 | 03h04

Chuva forte, trovoadas, neblina e nevoeiro chegam a triplicar a porcentagem de atrasos de voos nos aeroportos do País. Dados do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea) mostram que os terminais de Guarulhos, Brasília, Galeão e Curitiba estão entre os que mais sofrem com o mau tempo.

Segundo o Decea, em um dia normal, o Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, tem uma média de 5,3% de atrasos. Em dias de impacto meteorológico - principalmente nevoeiro -, o índice sobe para 16,7%.

Em outras cidades, como Brasília e Curitiba, a média quadruplica. A Gol considera que os aeroportos do Sul (Porto Alegre, Caxias do Sul, Joinville, Navegantes, Curitiba, Londrina e Maringá) são os mais afetados.

Informação digital. Para tentar minimizar os impactos meteorológicos no dia a dia do passageiro, o Decea instalou uma nova tecnologia - chamada D-Volmet - que envia ao piloto, em segundos, dados sobre condições climáticas que o ajudam a tomar decisões sobre desvio de rota ou até necessidade de pouso em outro aeroporto.

Informações desde uma turbulência em rota até um nevoeiro que acabou de tornar inviável o pouso em determinado aeroporto serão transmitidas ao piloto em tempo real. Para isso, basta que ele digite o código do aeroporto ou da área e receba automaticamente dados como velocidade do vento e formação de nuvens. Tudo sem a necessidade de contato verbal entre piloto e torre.

Hoje, essas mesmas informações estão disponíveis, mas via rádio: o piloto escolhe uma frequência, faz contato com a torre, solicita as informações meteorológicas, espera, ouve de volta as respostas e, às vezes, precisa anotá-las. Tudo isso, no entanto, fica sujeito a ruídos de comunicação, sobretudo entre pilotos estrangeiros e os meteorologistas da torre.

O sistema foi fornecido pela empresa Sita e comprado pela Aeronáutica por R$ 750 mil. A maioria das aeronaves do País tem tecnologia compatível para receber as informações meteorológicas digitalmente - 51% da frota da Gol e toda a frota da TAM. A Gol quer 100% dos aviões com o sistema até 2013.

"Existe na França e na China, por exemplo. É importante para tripulações estrangeiras voando no Brasil, oferece mais segurança no entendimento das mensagens", diz Adriana Mattos, gerente de Desenvolvimento da Sita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.