Mato invade a pista e faltam guardrails em obra de R$ 5 bi

Passarela do Rodoanel na chegada a Mauá está no ''esqueleto'', mas Dersa diz que fica pronta até maio

Renato Machado e Rodrigo Burgarelli, O Estado de S.Paulo

31 Março 2011 | 00h00

O Trecho Sul do Rodoanel Mário Covas completa o primeiro ano com falhas que muitos consideram inadmissíveis para uma obra de R$ 5 bilhões. Guardrails e muretas de proteção ainda estão sendo erguidos, o mato avança sobre as pistas em determinados locais e até mesmo o asfalto já apresentou problemas e teve trechos recapeados.

A reportagem do Estado percorreu, na tarde de ontem, os 61,3 km do Trecho Sul, nos dois sentidos. A rodovia passou por algumas melhorias. Um exemplo é o sistema de iluminação, que foi instalado nas pontes e intersecções com outras vias.

Por outro lado, trechos considerados de risco permanecem sem muretas de proteção e guardrails - inclusive perto de pontes. Os motoristas que seguem no sentido da Rodovia dos Imigrantes encontram pontos em que há apenas vergalhões, o primeiro estágio para a construção das muretas.

"Se essas muretas são importantes para dar mais segurança, por que eles não colocaram antes", questiona o motorista Magno Oliveira, que costuma usar os Trechos Oeste e Sul para ir do litoral sul, onde faz entregas, para sua casa, em Osasco.

Um outro problema é que o mato está alto e invade as pistas em determinados trechos, como na altura do km 61, na capital. Uns trechos com asfalto mais escuro, entre os km 52 e 54, indicam que o asfalto já teve problemas e que precisou ser recapeado. A Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa) afirma que seus técnicos detectaram uma alteração no material asfáltico aplicado, mas isso teria acontecido antes da entrega da obra. "Na ocasião, a empreiteira responsável refez o serviço."

Uma passarela perto da chegada a Mauá (km 84) permanece apenas com o esqueleto em pé. Somente dois funcionários trabalhavam ali na tarde de ontem.

Melhorias. Sobre a falta de muretas de proteção, a Dersa informou que está implementando 31 quilômetros de barreiras de concreto e que todo o serviço estará pronto até meados de maio. A empresa também afirma que a passarela que está sendo erguida ficará pronta no mesmo mês.

A concessionária SPMar afirma que assumiu o Trecho Sul do Rodoanel há apenas dez dias e já está realizando todos os serviços de manutenção e conservação, como a poda da vegetação perto da rodovia.

PARA LEMBRAR

Nova Marginal está 16% mais lenta

Outra via que está com o trânsito pior do que há um ano é a Marginal do Tietê, que ganhou as pistas centrais em março de 2010. O Estado mostrou na terça-feira que, um ano depois, a Marginal está 16% mais lenta do que logo após a inauguração da Nova Marginal.

A reportagem percorreu os 24,5 km da via no sentido Castelo Branco em 44 minutos, ante 37 minutos registrados há um ano. Antes da abertura das pistas centrais, entretanto, o tempo necessário para percorrer o mesmo trajeto havia sido de 47 minutos.

O aumento da lentidão na Marginal, porém, não se reflete no restante da cidade. Balanço feito pela reportagem com base nos registros da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) mostra que a lentidão média nos horários de pico era de 88,9 quilômetros em março de 2010, antes de as pistas serem abertas. Da abertura até o fim de abril, o índice caiu para 71,9 km. Na média deste mês, a lentidão caiu para 68,7 km.

Para especialistas, o fenômeno é explicado pela migração de carros para a Marginal. A própria CET já previa um aumento de 15% a 20% no uso da Marginal com as novas pistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.