Matar Telhada seria para a facção como erguer um troféu

As novas ações imputadas ao PCC tiveram como alvo um dos principais instrumentos do governo de combate ao crime organizado: a Rota. Ela foi responsável pela apreensão recente de quase R$ 2 milhões em dinheiro, dezenas de fuzis, metralhadoras e carabinas e de mais de uma tonelada de drogas da cúpula da facção. Seus homens se envolveram em tiroteios em que importantes membros do PCC foram mortos ou presos. O uso da Rota é uma estratégia que ganhou força em 2009. Sua fórmula passa pela busca, processamento e análise de informações do sistema prisional e das ruas realizados pela Inteligência da PM. Quando tudo está apurado, esta aciona a Rota.

Bastidor: Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

02 de agosto de 2010 | 00h00

A cúpula da Segurança Pública não tem dúvida de que o sucesso dessas ações está por trás da reação do PCC. A facção escolheu os alvos a dedo. O tenente-coronel Paulo Telhada não é um policial comum. Além de chefiar a mais famosa unidade da PM, ele é desses oficiais carismáticos que gostam de comandar da linha de frente - não faz muito tempo, matou com um tiro um ladrão que roubava um hotel nos Jardins. Assassiná-lo permitiria à facção erguer um troféu. Já o ataque ao quartel da Rota, para o governo, foi uma ação de propaganda da facção. Os disparos contra o prédio não causaram danos relevantes. E os responsáveis se expuseram de tal forma que um deles foi baleado e morto pela guarda. Assim, seu único propósito seria a repercussão que o fato teria na sociedade. Essa, aliás, era uma das principais preocupações do governo. Pegas de surpresa pelas ações do PCC - nenhum dos órgãos de inteligência detectara a preparação dos ataques -, as Polícia Civil e Militar tentam agora demonstrar eficiência no esclarecimento desses crimes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.