Matar os maiores peixes pode colocar populações em risco

A pesca de mergulho com compressor tem potencial para ser a forma mais seletiva e sustentável de pescaria no mar, desde que a seleção dos peixes seja feita de forma ecologicamente correta, sem prejuízo para a reprodução das espécies. O problema no caso das garoupas e badejos, que são o alvo favorito dessa atividade, é que os peixes mais visados pelos caçadores são justamente aqueles que não se deveria matar, segundo o biólogo Matheus Freitas, especialista nesses animais.

Herton Escobar, O Estado de S.Paulo

09 Fevereiro 2014 | 02h06

Os badejos, garoupas, chernes e outros peixes da mesma família, chamada Epinephelidae, são hermafroditas. Todos nascem fêmeas, e apenas alguns indivíduos se tornam machos dentro de uma população. São, normalmente, os peixes maiores e, portanto, os mais cobiçados pelos caçadores.

"Quando o pescador mergulha, ele seleciona os maiores peixes, que têm o maior valor agregado. Se você pensar que, para essas espécies, os peixes maiores são quase sempre os machos, o impacto dessa seleção na dinâmica populacional é potencialmente muito grande", afirma Freitas, pesquisador da Rede Abrolhos e presidente do Instituto Meros do Brasil. "Estão matando as galinhas dos ovos de ouro. Você pode ter o número de fêmeas que quiser, ovulando por toda parte; se não tiver um macho para fertilizar todos esses óvulos, não adianta nada."

Nessas espécies, segundo ele, a proporção é de um macho para cada dez fêmeas, podendo chegar a 1 para 15. Quando um macho é removido da população, uma fêmea dominante muda de sexo para ocupar seu lugar, mas a transformação não é imediata, e só terá efeito prático na reprodução do ano seguinte.

Por esse e outros fatores, Freitas defende que a pesca de mergulho com compressor seja regulamentada, ou até mesmo proibida, com tamanhos mínimos e máximos de captura estabelecidos para cada espécie.

Do ponto de vista legal, a pesca de compressor navega por uma área cinzenta. A atividade não é regulamentada, mas também não é proibida explicitamente em nenhuma lei para a captura de peixes, apenas de lagosta. Procurado pelo Estado, o Ministério da Pesca e Aquicultura disse que a prática é irregular.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.