Hélvio Romero/AE-25/10/2010
Hélvio Romero/AE-25/10/2010

Masp vai cobrir prédio dos anos 1950 com vidro

Após afirmar que estudava manter a fachada original do Edifício Dumont-Adams, também na Avenida Paulista, o Museu de Arte de São Paulo (Masp) informou ontem que o prédio vai receber "uma pele de vidro". O edifício está sendo reformado para abrigar um anexo do museu, chamado Masp-Vivo.

Tiago Dantas, O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2011 | 03h05

O término das obras externas no Dumont-Adams está previsto para fevereiro. Depois disso, o museu terá de montar laboratórios e instalar equipamentos dentro do anexo. Ainda não há um prazo definido pela administração para a abertura do novo complexo.

A instalação de uma fachada de vidro no Dumont-Adams foi alvo de polêmica no ano passado. Em maio, a Associação Preserva São Paulo e a Sociedade dos Amigos e Moradores do Bairro Cerqueira César criaram um abaixo-assinado na internet pedindo a manutenção do desenho original da construção. Aproximadamente 300 pessoas assinaram o documento.

O Dumont-Adams foi comprado pela operadora de telefonia móvel Vivo em 2005 e doado ao Masp. A Nestlé se comprometeu a pagar parte da reforma em troca da exploração de um café panorâmico que seria instalado no último andar do edifício. O anexo abrigará, ainda, um restaurante, uma área para exposições, loja de suvenires e a Escola do Masp, uma espécie de universidade de artes.

Histórico. O Dumont-Adams foi inaugurado em 1956, para servir de moradia para a família do engenheiro e fazendeiro Plínio de Oliveira Adams, casado com Adélia dos Santos Dumont.

Em 2005, o Masp chegou a apresentar o projeto de uma torre de 125 metros para ser erguida sobre a base do prédio anexo - a proposta não foi levada adiante. /T.D.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.