Masp vai ampliar segurança e terá sensores e alarmes

Na semana passada, três ladrões levaram telas de Picasso e Portinari que eram avaliadas em mais de R$ 55 mi

Mônica Aquino, do estadao.com.br,

27 de dezembro de 2007 | 12h00

O Museu de Arte de São Paulo (Masp) vai ampliar seu esquema de segurança até o dia 8 de janeiro, data prevista para a reabertura do museu. Os sistemas de alarmes e sensores devem passar por ajustes, segundo confirmou José Nascimento Júnior, diretor do Departamento de Museus e Centros Culturais do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). EXCLUSIVO: assista ao vídeo com imagens do roubo Brasil é o quarto do mundo em roubo de obras culturaisBlog do Daniel Piza: um roubo, uma crise e a tristeza Veja galeria de fotos do roubo da Masp  Veja como foi o roubo no Masp Todas as notícias sobre o roubo ao Masp   "O museu vai ampliar o sistema de segurança que já existia, seguindo orientações do Iphan e da Polícia Militar", afirmou Nascimento. O anúncio das novas medidas de segurança deverá ser feito na tarde desta quarta-feira, 27, pela direção do Masp, segundo a assessoria de imprensa do museu.  Na madrugada da quinta-feira, 22, três ladrões roubaram duas telas do museu. Em uma ação que durou três minutos, foram levadas as obras O lavrador de café, de Cândido Portinari, e Retrato de Suzanne Bloch, de Pablo Picasso. Juntas, as obras valiam cerca de R$ 55 milhões. Segundo o diretor do Departamento de Museus e Centros Culturais do Iphan, a Polícia Militar, a Polícia Civil e a Guarda Civil Metropolitana também vão tomar medidas para aumentar a segurança do museu e na região da Avenida Paulista. Novas medidas de segurança também serão implementadas durante os meses de janeiro e fevereiro, mesmo depois da reabertura do museu.

Tudo o que sabemos sobre:
roubo ao MaspMasp

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.