Masp aciona Interpol, Itamaraty e PF para recuperar quadros

Obras de Portinari e Picasso foram roubadas nesta madrugada; ação foi gravada pelas câmeras do museu

20 de dezembro de 2007 | 14h22

O Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp) divulgou uma nota confirmando o arrombamento de suas instalações e o furto das telas O lavrador de café, de Candido Portinari, e Retrato de Suzanne Bloch, de Pablo Picasso, e dando conta de que buscará a colaboração da Polícia Civil, da Interpol, Polícia Federal e o Itamaraty.  As obras são avaliadas em US$ 5 mihões e US$ 50 milhões, respectivamente.   EXCLUSIVO: assista ao vídeo com imagens do roubo Ladrões roubam quadros de Portinari e Picasso do Masp Brasil é o quarto do mundo em roubo de obras culturais Blog do Daniel Piza: um roubo, uma crise e a tristeza  Veja galeria de fotos do roubo da Masp   De acordo com a nota, o Museu permanecerá fechado até a finalização da perícia policial. A investigação corre em sigilo e a direção do Museu não fornecerá mais informações para não prejudicar o andamento dos trabalhos.  As obras, segundo a nota, estavam em exibição no segundo andar, em salas separadas e distantes, caracterizando, portanto, alvos específicos da ação. As câmeras gravaram a ação dos ladrões e as fitas foram entregues à polícia. Essas imagens do circuito interno de TV mostram que a ação foi praticada por três homens jovens e durou apenas três minutos, das 5h09 às 5h12 desta madrugada. Um funcionário do museu que chegou para trabalhar encontrou as portas arrombadas e o boletim de ocorrência foi realizado por volta das 10 horas. O arrombamento foi feito com um macaco hidráulico pé-de-cabra, que foram abandonados no local. Por sua vez, a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Segurança Pública informou que as imagens registradas pelo circuito interno do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp) não serão divulgadas "por enquanto, para não atrapalhar as investigações".  Veja a íntegra da nota do Masp: O Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand – MASP informa que na madrugada deste dia 20 de dezembro foi vítima de ação criminosa caracterizada por arrombamento de instalações e furto de duas obras de seu acervo: O lavrador de café (1939, óleo sobre tela, 100 x 81cm), de Candido Portinari (1903-1962), e Retrato de Suzanne Bloch (1904, óleo sobre tela, 65 x 54cm), de Pablo Picasso (1881-1973), ilustradas nas imagens anexas. As obras estavam em exibição no 2º andar, em salas separadas e distantes, caracterizando, portanto, alvos específicos da ação. As câmeras gravaram a ação dos ladrões e as fitas foram entregues à polícia.  Ao longo dos seus 60 anos de atividades ininterruptas o MASP nunca sofreu uma ocorrência desta natureza, razão pela qual foi instaurada uma sindicância interna visando, inclusive, a total colaboração com o trabalho policial.  Ações semelhantes, infelizmente, têm ocorrido não só em grandes museus do mundo como também nos brasileiros, razão pela qual o MASP está acionando, além de nossa polícia local, a Interpol, Polícia Federal e o Itamaraty para as providências devidas. Hoje o MASP estará fechado e assim permanecerá até a finalização da perícia policial. A investigação corre em sigilo e, diante da confiança do MASP no trabalho das autoridades policiais, a Direção do Museu não fornecerá quaisquer informações para não prejudicar o andamento dos trabalhos. São Paulo, 20 de Dezembro de 2007.  Fernando PinhoSuperintendente Administrativo e FinanceiroMasp – Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Texto ampliado às 16h24)

Tudo o que sabemos sobre:
masp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.