Divulgação
Divulgação

Marinha apura morte de tripulante indiano em navio da MSC

Segundo informações iniciais, o homem teve um mal súbito, foi socorrido, mas não resistiu

Luiz Alexandre Souza Ventura, Especial para O Estado

04 Fevereiro 2016 | 23h20

A Marinha instaurou inquérito administrativo para apurar a morte de um indiano de 48 anos a bordo do navio de cruzeiros MSC Magnifica, no domingo, 31, no Porto de Santos. O homem era tripulante da embarcação e, segundo a MSC (Mediterranean Shipping Company) do Brasil, sofreu uma parada cardíaca.

A assessoria de comunicação social da Marinha informou à reportagem na terça-feira, 2, que a Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP) fora notificada sobre o falecimento do tripulante, e ressaltou, na ocasião, não ter envolvimento em casos como este. Uma nota enviada pelo mesmo departamento nesta quinta-feira, 4, corrige a informação.

Segundo a nota, a Marinha foi informada sobre a morte do tripulante às 19h20 do domingo, 31, encaminhou peritos ao local no mesmo dia e determinou a instauração do inquérito para apuração do fato, com base na Lei nº 2180/1954. “O navio foi notificado por meio da agência marítima para que os esclarecimentos sejam prestados. Pelas informações iniciais, o tripulante Shetty Prasad Vittal apresentou mal súbito e, embora prontamente atendido, não resistiu ao socorro, vindo a falecer”, destaca a nota.

De acordo com a MSC, as autoridades foram comunicadas e todos os trâmites legais estão sendo providenciados. A empresa não informou a função do tripulante na embarcação, bem como não forneceu detalhes sobre possíveis exames feitos no corpo e sobre previsões para o envio deste à família.

“O tripulante foi imediatamente atendido no centro médico do navio. Mesmo com todos os esforços e procedimentos médicos de emergência realizados pela equipe médica do navio e também por uma equipe do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), acionada pela empresa, o tripulante veio a falecer”, diz a companhia.

O MSC Magnifica atracou em Santos no último domingo, 31, proveniente de Montevidéu, no Uruguai, com 2.987 hóspedes a bordo. No mesmo dia, após ser liberado pelas autoridades responsáveis, seguiu viagem, novamente para Montevidéu.

O navio foi construído em 2010. Pesando 95.128 toneladas, tem 16 decks (andares) e 59,64 metros de altura. Seu comprimento é de 293,8 metros e o calado (profundidade) atinge 32,2 metros. O navio tem capacidade para aproximadamente 4 mil pessoas e mantém 1.259 tripulantes. A embarcação pode chegar à velocidade máxima de 22,90 nós (42 km/h).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.