Marido de babá é preso por pedofilia no interior de SP

Homem teria abusado da criança que a mulher cuidava, em Porto Feliz, e das duas enteadas

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

19 Março 2009 | 15h13

O marido de uma babá foi preso na quarta-feira em Porto Feliz, a 120 km de São Paulo, acusado de abusar sexualmente de uma menina de 7 anos na casa onde a mulher trabalhava. A denúncia foi feita pela mãe da vítima. O desempregado Valmir Cunha, de 29 anos, também é acusado de agredir o irmão da vítima, de 10 anos. Ele ainda é suspeito de ter molestado duas enteadas, filhas da babá, de 10 e 12 anos respectivamente.

 

Veja também:

linkCPI da Pedofilia quer audiência com Serra e Tarso

linkCPI vai pedir investigação sobre erro de delegada de Catanduva

link Dois suspeitos têm pedido de prisão derrubado

link CPI da Pedofilia deve ouvir os oito suspeitos de Catanduva

lista Como denunciar a pedofilia e proteger seus filhos na web 

documento A cartilha do governo para prevenção da exploração 

lista Todas as notícias sobre pedofilia   

 

A mulher de Valmir, Rosana Coelho, cuidava do casal de filhos de uma vizinha durante o período em que esta trabalhava fora. O desempregado passou a frequentar a casa e, quando Rosana saía para compras, ele trancava o menino no banheiro e levava a irmã dele para o quarto. Numa das ocasiões o garoto reclamou e foi colocado de joelhos e agredido. A mãe da menina disse que só soube do caso quando a babá pediu demissão, no mês passado. A criança passou a ficar com a avó e acabou revelando que era molestada. Ela não contou sobre o crime antes porque sofria ameaças do suspeito. Valmir a obrigava a ver filmes pornográficos.

 

De acordo com o delegado da Polícia Civil André Bonan, o estupro não se consumou porque o acusado não conseguia ereção. O delegado apurou que Valmir também molestou suas enteadas. A mais velha chegou a dizer para a mãe que ele a impedia de se vestir depois do banho e ficava olhando seu corpo. A babá negou que soubesse dos crimes. O suspeito teve a prisão temporária decretada e vai responder pelos crimes de atentado violento ao pudor. A pena varia de 6 a 10 anos de prisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.