Marginal: radares já estão ligados

No dia em que sinalização deveria estar completa, Prefeitura autorizou o funcionamento de equipamentos; ainda há deficiências em alguns trechos

Bruno Ribeiro, Eduardo Reina e Tiago Dantas , O Estado de S.Paulo

01 Setembro 2010 | 00h00

 

A Marginal do Tietê ficou sem sinalização adequada por 186 dias, desde a inauguração de pistas, em março. Ontem, vencido o ultimato do Ministério Público para resolver a situação, a Prefeitura não esperou: publicou portaria no Diário Oficial da Cidade liberando seis radares para multar.

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), cinco desses aparelhos já existiam antes da reforma, mas ficaram desligados durante as obras. "O único equipamento novo é o que está localizado na pista central da Marginal, após a Ponte da Casa Verde, sentido da Rodovia Castelo Branco", diz a companhia, em nota.

O restante dos radares está espalhado: no sentido Castelo Branco, há dois na pista expressa (antes das Pontes Julio de Mesquita Neto e do Piqueri). Já no sentido Ayrton Senna são todos na pista expressa: antes da Ponte do Limão, antes da Ponte da Vila Guilherme e antes da Ponte da Freguesia. Eles flagram excesso de velocidade e desrespeito ao rodízio.

A CET tem nove radares em funcionamento na nova Marginal do Tietê. Mas a lista deve crescer. Em julho, outra portaria previu o funcionamento de mais cinco radares. Na época, como a sinalização não estava concluída, os equipamentos continuaram desligados. A CET não disse quando essas máquinas serão ligadas.

Placas. A seis horas de vencer o prazo estipulado pelo MP, o governo do Estado corria ontem para conseguir instalar placas. Mas ainda havia lugares onde sequer havia sinalização para informar os motoristas. O pior trecho fica na pista central sentido Castelo Branco, onde há uma única saída para a Casa Verde e o Limão e apenas uma saída para as pistas laterais - e nenhuma placa indicativa. Quem desconhece as pistas precisa seguir em frente e retornar quilômetros à frente. Também na pista central, em trecho recém pavimentado, falta sinalização no chão, o que também confunde os usuários.

Dezenas de placas cor de laranja, provisórias, ainda estão fixadas em inúmeros pontos das pistas nos dois sentidos, além de placas encobertas por plástico preto. Outros sinais antigos ou provisórios conflitam com as placas recém colocadas. É o caso das indicações para a Rodovia dos Bandeirantes sobrepostas na pista marginal, bem na frente do prédio de uma editora. Também são poucas as placas com limite de velocidade.

A Dersa informou que as placas provisórias serão substituídas conforme o término das obras em andamento. E cerca de 85% das pinturas conflitantes no chão já foram retiradas - o restante deverá ser removido até 31 de outubro. Só hoje o MP fará uma análise do trabalho de sinalização.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.