Marginal do Tietê segue como campeã de acidentes

Apenas cinco vias da cidade concentram 10% do total de mortos no trânsito no ano passado. E quatro dessas estradas, ruas e avenidas registraram uma maior quantidade de acidentes fatais no ano passado, quando comparado com o período anterior. A Marginal do Tietê se manteve como a via mais perigosa da cidade - até porque é a mais extensa.

Renato Machado, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2011 | 00h00

Em 2010, os acidentes foram responsáveis por 56 mortes na Marginal do Tietê, ante 50 de 2009 - alta de 12%. O tipo de acidente mais comum é a colisão - quando um veículo bate em outro -, com 22 casos. Na sequência, aparecem atropelamentos (21) e choques, quando veículo bate contra muro ou poste (8).

Uma fonte na Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) disse que uma das causas é o aumento da velocidade média, por causa das novas pistas. Além disso, os radares da via ficaram desligados por alguns meses.

Na sequência da lista, aparece a Marginal do Pinheiros (que apresentou redução de 30 para 23 mortos). Também estão entre as mais perigosas a Avenida Aricanduva, a Estrada de Itapecerica e a Avenida Raimundo Pereira de Magalhães. Apesar de ser apenas a 18.ª mais perigosa, o aumento na quantidade de mortos na Avenida 23 de Maio (de 5 para 8) surpreendeu - a via foi uma das primeiras a ter reduzido o limite de velocidade, medida da CET para melhorar a segurança no trânsito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.