Márcio Thomaz Bastos participa do 1º júri após 6 anos afastado

Ex-ministro da Justiça havia se afastado da advocacia para integrar o governo do presidente Lula

Laura Diniz, de O Estado de S. Paulo,

02 de outubro de 2008 | 19h02

O ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos participou nesta quinta-feira, 2, de seu primeiro júri após seis anos afastado da advocacia. Thomaz Bastos deu assistência ao promotor Fernando César de Paula no julgamento do médico Luiz Henrique Semeghini, 50 anos, réu confesso do assassinato da mulher, Simone Maldonado, de 35 anos, em 2000. O julgamento aconteceu em Fernandópolis, a 555 km da capital paulista.   O réu foi condenado a 16 anos e 4 meses de prisão em regime fechado, pelo Tribunal do Júri de Fernandópolis. A acusação do réu foi feita pelo promotor, que teve assistência de Thomaz Bastos e do advogado Luiz Fernando Pacheco. Foi o primeiro júri de Bastos após seis anos afastado da advocacia para integrar o governo Luiz Inácio Lula da Silva.   O crime ocorreu em 2000. Na noite de 15 de outubro, ele matou a mulher com sete disparos - três no rosto e quatro no tórax - por não aceitar a decisão dela de se separar. Desse total, cinco tiros foram dados com a vítima no chão, de acordo com a perícia do caso.   Segundo Thomaz Bastos, o período de oito anos para que ocorresse o primeiro julgamento do caso "é um escárnio. Essa delonga dá à população a sensação de que a impunidade está crescendo", afirmou.   Leia a íntegra da reportagem na edição de sexta-feira, 3, de O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
julgamentoMárcio Thomaz Bastos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.