Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Marchinhas e bonecões animam foliões no centro de São Paulo

Festa tradicional de São Luiz do Paraitinga foi levada para a capital e atraiu 700 pessoas pelas ruas da região da Praça do Patriarca

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

08 Fevereiro 2015 | 14h43

SÃO PAULO - As marchinhas e os bonecões do tradicional carnaval de São Luiz do Paraitinga voltaram a animar foliões no centro da cidade na tarde deste domingo, 8. A folia típica da cidade do Vale do Paraíba faz parte do Festival CCBB de Carnaval e atraiu 700 pessoas em seu terceiro e último dia.

O bloco desfilou pelas ruas da região da Praça do Patriarca a partir das 12h e reuniu muitos jovens, famílias e idosos amantes dos carnavais tradicionais de rua. A partir das 14h, se apresentam a Banda Estrambelhados e o músico Galvão Frade, ambos vindos de São Luiz.

Fã do carnaval da cidade, a nutricionista Giorgia Russo, de 34 anos, levou filhos, pais e tios para conhecer a festa. "Já fui cinco vezes para São Luiz no carnaval, e sempre pensei em levar as crianças para lá quando fossem mais crescidinhas, mas, por sorte, eles vieram para São Paulo antes", diz ela, mãe de Giulia, de 3 anos, e Giovani, de 2. "É um carnaval tranquilo, de músicas gostosas, que todo mundo participa, se envolve."

Os tios de Giorgia são italianos, moram na França e vieram ao Brasil para conhecer o Carnaval. "É uma festa única, muita gente diferente se divertindo juntas, um clima incrível", diz o aposentado Joseph Laurito, de 60 anos.

A engenheira Vera Lucia Bertoldi, de 60 anos, vê o bloco como alternativa às festas mais badaladas. "Nos outros blocos, tem muita gente, às vezes há brigas. Aqui é um pessoal que vem para se divertir de forma tranquila."

Cantora de blocos de São Luiz e idealizadora do projeto,  Suzana Salles diz acreditar que o festival ajuda a levar a cultura da cidade para mais pessoas. "Tem muita gente que não conhecia o carnaval de São Luiz e me disse que agora pretende ir. É um movimento crescente do carnaval de rua gratuito e da manifestação espontânea cultural", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.