Daniel Teixeira
Daniel Teixeira

'Marcha da Maconha' mobiliza 4 mil pessoas no centro de São Paulo

Evento que pede a legalização do consumo da droga saiu da Avenida Paulista em caminhada até o Largo São Francisco

Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

23 de maio de 2015 | 15h58

Atualizado às 19h09

SÃO PAULO - Cerca de 4 mil pessoas, na estimativa da Polícia Militar, participaram neste sábado, 23, da Marcha da Maconha em São Paulo. Os manifestantes se concentram no vão-livre do Masp e depois seguiram para o Largo de São Francisco, na região central da capital. A organização do movimento acreditava existir maior adesão, com cerca de 10 mil participantes.

Os integrantes do movimento levavam faixas, cartazes e cigarros gigantes para pedir a legalização da maconha. Muitos usavam a droga no meio da multidão. Não houve registro de tumulto.

Os organizadores do evento informaram que “desconvidaram” a Polícia Militar, que acompanhou o ato a distância. Questionado sobre o uso da droga durante a marcha, o tenente Markus Castro, comandante da operação, limitou-se a dizer que “a lei proíbe”. “Como está pacífico, não tem necessidade de ficar no meio. Queremos paz e amor”, disse o policial. 

Esta é a primeira marcha da artista performática Julia Zumbano, de 39 anos. Ela levou o filho, de 5, para mostrar que “é normal fumar”. “Maconha sempre existiu, é consumida há 4 mil anos, e sempre vai existir esse que é um vínculo muito grande do ser humano com a natureza”, afirmou.

Durante a marcha, uma criança de 12 anos que sofre de doença rara e há um ano usa canabidiol como tratamento teve uma convulsão, foi socorrida e passa bem. A família foi ao ato para mostrar a “importância da pesquisa”. “Quando ela tem uma emoção ou está eufórica, desencadeia a crise. Por isso a importância da pesquisa”, disse o pai.

Tudo o que sabemos sobre:
Marcha da Maconha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.