Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Marceneiro é preso sob acusação de assassinar três mulheres em SP

Homem de 40 anos matou mulheres com quem se relacionou; em um dos casos, ele esquartejou a vítima na sua casa na zona norte

Marco Antônio de Carvalho, Especial para O Estado

21 de outubro de 2014 | 16h12

SÃO PAULO - O marceneiro Sílvio Francisco de Carvalho, de 40 anos, foi preso sob acusação de ser autor de três assassinatos de mulheres na região metropolitana de São Paulo; dois dos crimes aconteceram há menos de um mês. A polícia ainda investiga se ele pode também estar envolvido em um quarto caso de homicídio.

Carvalho foi detido pela Força Tática da Polícia Militar na Rua Henrique San Midlin, no bairro Jardim Jangadeiro, zona sul de São Paulo. A captura aconteceu na madrugada desta terça-feira, 21, quando os policiais identificaram um mandado de prisão em aberto contra o marceneiro.

Em depoimento na delegacia, Carvalho confessou a autoria de três assassinatos, segundo a Polícia Civil. A vítima mais recente foi Jaqueline Oliveira, de 26 anos, com quem o marceneiro manteve um relacionamento. Ele não aceitou o fim do namoro e a chamou à sua casa, na Freguesia do Ó, zona norte da capital, para conversar. Lá, no dia 21 de setembro, ele matou, esquartejou e ocultou o cadáver de Jaqueline.

Ainda segundo a Polícia Civil, o homem também executou Maria Regina dos Santos, de 66 anos, na cidade de Ribeirão Pires, Grande ABC, há duas semanas. Ele teria seduzido a vítima, de quem recebia dinheiro, e quando parou de conseguir as quantias a matou. A investigação está sendo feita pela delegacia da cidade.

O terceiro assassinato havia sido registrado em março de 2013. O quarto caso está sob investigação do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) na capital.

Tudo o que sabemos sobre:
São Pauloviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.