Mantras inspiraram obra de Prades

Uma caixa d'água cilíndrica, de cerca de 10 metros de altura, ficava ali escondida entre os prédios do Museu de Arte Moderna (MAM) e o prédio da Bienal, no Parque do Ibirapuera. Em novembro do ano passado, o visual do equipamento mudou. Pequenos símbolos e desenhos em preto e branco deram vida à superfície bege da caixa d'água.

/ RODRIGO BURGARELLI, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2012 | 03h02

O autor é o artista Jaime Prades, que foi convidado pela administração do parque para realizar o trabalho, intitulado "Mantra Dinamus Estelar".

Segundo Prades, a localização da caixa d'água é inusitada, por ser uma espécie de ruína urbana cercada de árvores, de natureza, como se fosse uma realidade invertida da cidade que cerca suas árvores com concreto. As figuras espaçadas ajudam a obra a manter os diversos rabiscos e escritos deixados pelos frequentadores do parque. "É um micro-universo de declarações de amor, ou até suásticas. Registros de rebeldia contra o anonimato. Por isso, o espírito da obra é a diversidade, a convivência", explica.

O nome místico remete aos mantras recitados nos templos circulares tibetanos, símbolo do eterno ir e vir das encarnações, como prega o budismo. E Dinamus Estelar, segundo Prades, "é uma referência ao objeto cilíndrico que parece uma pilha, um transistor gigante perdido de alguma nave espacial que por acaso se encravou ali no parque".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.