Manifestantes são bandidos, diz empresário que matou jovem em Ribeirão

Ele afirmou que deram pauladas no seu carro, se sentiu ameaçado e que não quer ser preso

Rene Moreira , especial para O Estado de S. Paulo

22 Junho 2013 | 12h15

RIBEIRÃO PRETO - Em entrevista ao portal G1, o empresário Alexsandro Ishisato de Azevedo, acusado de atropelar 12 pessoas e matar uma em Ribeirão Preto (SP) durante um protesto, disse que o grupo que fechava a avenida era formado por "bandidos". Ele alegou ter se sentido ameaçado e não informou quando irá se apresentar à polícia, mas afirmou estar arrependido.

"Não era um monte de estudante de verdade, era um bando de bandidos. Só tinha bandidos", disse o motorista que teve sua prisão decretada pela Justiça. Segundo narrou, os manifestantes davam pauladas no carro e o xingavam. O veículo, que foi abandonado depois e está apreendido, não teria ficado amassado por ser blindado. Foram detectadas nele apenas pequenas avarias.

A entrevista foi concedida por telefone à EPTV Ribeirão Preto. "Qualquer um que passasse pelo que eu passei, faria a mesma coisa. Eu estou com um corte de cinco centímetros na cabeça e só não fui fazer exame de corpo de delito porque eles vão me prender", disse o acusado. Ele falou ainda que não quer ir para a cadeia porque não é bandido.

A versão do empresário, que é lutador de jiu-jitsu, contraria a dos manifestantes. Alguns pontos também não batem com as imagens gravadas no local. O rapaz morto, por exemplo, Marcos Delefrate, de 18 anos, era estudante do Senai, trabalhava, não tinha passagens pela polícia e, segundo amigos, não usava drogas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.