Paulo Pinto/AE
Paulo Pinto/AE

Manifestantes fazem novo protesto contra aumento do ônibus em SP

Presidente da Câmara, vereador José Police Neto, assinou compromisso para convocar audiência pública com secretário dos transportes e estudar preço da tarifa

Eduardo Roberto, Estadão.com.br

27 Janeiro 2011 | 18h10

SÃO PAULO - Milhares de manifestantes realizaram no fim da tarde desta quinta-feira, 27, um novo protesto contra o aumento da tarifa de ônibus. O ato começou em frente ao Teatro Municipal, passou pela sede da Prefeitura e seguiu pelas ruas do centro em direção à Câmara dos Vereadores. Segundo informações da Polícia Militar (PM), quatro mil pessoas participaram da passeata.

 

Por volta das 20h, representantes do Movimento Passe Livre (MPL) se reuniram em meio a uma multidão com o presidente da Casa, vereador Police Neto (PSDB), e outros vereadores, que aguardaram os manifestantes na frente da Câmara. 

 

Mesmo debaixo de muito barulho, a comissão de vereadores e o MPL conseguiram firmar o compromisso de convocar uma audiência pública com o secretário municpal de Transportes, Marcelo Cardinale Branco. A convocatória deve ser feita durante sessão da Câmara na próxima quarta-feira, 2. A polícia acompanhou toda a movimentação. O clima era pacífico.

 

Foi o terceiro protesto que o grupo realizou desde a implantação da nova taxa do ônibus, que subiu para R$ 3 no começo do mês. O anterior, na semana passada, juntou duas mil pessoas na região da Avenida Paulista.

 

Segundo uma das articuladoras do MPL, a estudante de direito Nina Cappello Marcondes, para a sessão na Câmara será convocada uma nova manifestação, com objetivo de pressionar a Casa e o poder executivo. "A grande participação hoje foi muito positiva. Para muitos, os dois mil que reunimos no último protesto foi resultado da repressão que sofremos na primeira passeata, mas a verdade é que o movimento cresceu", afirmou.

 

Texto atualizado às 21h10.

Mais conteúdo sobre:
protesto tarifa de ônibus

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.