Manifestantes detidos em protesto do MPL em São Paulo são liberados

Manifestantes detidos em protesto do MPL em São Paulo são liberados

53 pessoas foram levadas a delegacia em ato que terminou com depredação de agências bancárias, lanchonetes e concessionárias

Adriana Ferraz, O Estado de S. Paulo

10 Janeiro 2015 | 11h53

SÃO PAULO - A polícia liberou 52 manifestantes levados ao 78º Distrito Policial (Jardins) após o ato organizado nesta sexta-feira, 9, pelo Movimento Passe Livre (MPL) contra o aumento da tarifa de ônibus na capital paulista. De acordo com investigadores da delegacia, os detidos, que foram acusados de vandalismo, deixaram o local por volta das 2h deste sábado, 10. A Polícia Militar informou nesta sexta-feira que deteve 53 jovens que teriam agido com violência durante o protesto.

Apenas um jovem, de 23 anos, continua preso. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, ele foi preso em flagrante por depredação. Imagens da PM confirmaram a participação dele nas infrações. Ele foi indiciado por dano qualificado.

A manifestação começou de forma pacífica, por volta das 17h, em frente ao Teatro Municipal, no centro da cidade. Integrantes do MPL estavam acompanhados de sindicalistas e simpatizantes do PSOL e do PSTU. Até o início da noite, a PM só acompanhava o ato, quando protestantes vestidos de preto, com máscaras no rosto, começaram a provocar a polícia, atirando pedras contra a tropa e tentando atear fogo em lixos.

Com a confusão formada, um grupo com cerca de 50 black blocs apedrejou agências bancárias do Santander e do Banco do Brasil na região da Avenida Paulista. Lanchonetes e concessionárias também foram atacadas. A polícia revidou com bombas de gás e balas de borracha, até que os protestantes se dispersaram por volta das 21h.

O MPL já marcou para a próxima sexta-feira, 16, o segundo ato do ano contra a tarifa de R$ 3,50 anunciada pelo prefeito Fernando Haddad (PT).

Mais conteúdo sobre:
Protestos São Paulo MPL

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.