Manifestação popular é incentivo, afirma promotor

Manifestação popular é incentivo, afirma promotor

Festejado por centenas de pessoas, Francisco Cembranelli se disse revigorado após júri que condenou os Nardonis

Bruno Tavares e Marcelo Godoy, O Estadao de S.Paulo

28 Março 2010 | 00h00

O promotor Francisco Cembranelli chegou sorridente à primeira entrevista após o resultado do júri do casal Nardoni. Cercado por câmeras de televisão e ovacionado por centenas de pessoas que se amontoavam diante do Fórum de Santana, na madrugada de ontem, ele comemorou a condenação dos réus. "A confiança era total, e o resultado mostrou que eu estava certo."

O clima na porta do Fórum mais lembrava uma final de Copa do Mundo. Durante a leitura da sentença, fogos de artifício puderam ser ouvidos no plenário do tribunal. Enquanto alguns pediam justiça, outros gritavam palavras de ordem. Até o Tema da Vitória, que embalava as conquistas de Ayrton Senna, foi ouvido quando Cembranelli falava.

O mais antigo promotor da capital em atividade no Tribunal do Júri - são 22 anos - se disse revigorado após o julgamento. "(A manifestação popular) Serve de incentivo", disse. "Serei eternamente grato às pessoas. Não me sentiria bem fora do júri, é aqui que me sinto útil para a sociedade e todo esse incentivo só me anima a continuar."

Cembranelli reconheceu as dificuldades de atuar em um caso sem testemunhas. E aproveitou para enaltecer o trabalho da Polícia Científica. "Procurei ressaltar o trabalho desses profissionais que tanto se dedicaram para o esclarecimento do caso." Mesmo com o recurso da defesa, o promotor disse não acreditar que a sentença seja modificada.

Comemoração. Um grupo de policiais se reuniu anteontem no 9.º Distrito Policial para aguardar o desenrolar do julgamento dos Nardonis. Entre eles havia indignação pelas acusações de agressões e armadilhas que os réus haviam relatado no plenário do Tribunal do Júri. O investigador Luiz Alberto Spínola de Castro, chefe da equipe que apurou o caso, mostrava-se indignado. "Nunca vi criminoso falar bem da polícia", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.