'Maníaco da Navalha' é preso na Baixada Santista

Rafael Sodré de Lima confessa ter agredido sete mulheres; quatro vítimas o reconheceram

Rejane Lima, de O Estado de S.Paulo,

06 de dezembro de 2007 | 19h26

Depois de 19 ataques a mulheres desde fevereiro, o bandido que ficou conhecido na Baixada Santista como o "Maníaco da Navalha" foi preso em Itanhaém. O vendedor ambulante de pão e tapioca Rafael Sodré de Lima, de 21 anos, confessou ter cometido pelo menos sete das 19 agressões. Ele já foi reconhecido por quatro vítimas. De acordo com o Boletim de Ocorrência registrado na 2.ª Delegacia de Polícia de Itanhaém, o vendedor afirmou que não tinha a intenção de matar e que desejava somente ferir suas vítimas. Ele disse em depoimento que ouvia uma voz que o impulsionava a sair de casa para atacar essas mulheres. Todas as 19 vítimas cortadas entre 6 de fevereiro e 26 de novembro sobreviveram, mas uma delas foi cortada no pescoço, sendo o caso registrado como tentativa de homicídio. As demais agressões, ocorridas geralmente nos braços das mulheres, foram consideradas lesão corporal. O modus operante do crime era sempre o mesmo: Lima seguia em uma bicicleta e usava capuz, gorro ou boné. A história do maníaco da navalha passou a ser assunto nas rodinhas de moradores da cidade, onde as mulheres começaram a evitar andar sozinhas por ruas desertas. Com poucas pistas, a polícia enfim chegou ao bandido na última sexta-feira, graças ao relato da última vítima, uma menor de idade atacada em novembro. A jovem conhecia o agressor de vista e disse à polícia onde ele trabalhou. Após campanas, Lima foi preso. O vendedor não tinha passagem pela polícia e a Justiça concedeu prisão preventiva de 30 dias. Ele está na Cadeia Pública de Itanhaém. Lima vivia com uma moça há três anos e não tinha filhos. Ela disse à Polícia Civil que nunca desconfiou que seu companheiro fosse o "Maníaco da Navalha". Na casa do casal, foram apreendidas quatro bicicletas e peças de roupas para ajudar no reconhecimento.

Tudo o que sabemos sobre:
Maníaco da NavalhaSantos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.