Divulgação/TJ-SP
Divulgação/TJ-SP

'Maníaco da Cantareira' é condenado a 57 anos de prisão por morte de jovens

Ademir Oliveira Rosário assassinou dois irmãos na zona norte de São Paulo em setembro de 2007

Ítalo Reis, estadão.com.br

13 Março 2012 | 21h21

SÃO PAULO - Ademir Oliveira Rosário, conhecido como "Maníaco da Cantareira" foi condenado a 57 anos de prisão na noite desta terça-feira, 13, pelos assassinatos e estupros de dois adolescentes na zona norte de São Paulo. De acordo com o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), o cumprimento da pena será inicialmente em regime fechado.

O crime ocorreu em setembro de 2007, quando os corpos dos irmãos Josenildo José de Oliveira e Francisco Ferreira de Oliveira Neto, de 14 e 15 anos, respectivamente, foram encontrados na mata da Serra da Cantareira. Ademir, que foi preso alguns dias depois, também teria abusado sexualmente dos jovens.

O julgamento começou nesta tarde no Fórum de Santana e apenas o réu confesso foi ouvido. O juiz Gilberto Ferreira da Cruz, do 2.º Tribunal de Júri, afirma na sentença que Ademir deve ficar preso. "Por se tratar de réu perigoso e violento, reedito e ratifico o decreto de prisão preventiva, visto que os seus pressupostos fáticos e requisitos jurídicos (genéricos e específicos) estão até agora presentes e reforçados", afirma.

A defesa de Ademir tentou reformar a sentença para que o réu não fosse a júri popular, mas a Justiça negou o pedido, afirmando que havia indícios suficientes para que o acusado fosse julgado. O advogado deverá recorrer da decisão.

O outro acusado de cometer os crimes junto com Ademir, Élson José Messagi, foi condenado em outubro de 2009 a 31 anos de prisão. O réu deverá continuar detido no presídio de Taubaté, no interior do Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.