Divulgação/TJ-SP
Divulgação/TJ-SP

'Maníaco da Cantareira' é condenado a 57 anos de prisão por morte de jovens

Ademir Oliveira Rosário assassinou dois irmãos na zona norte de São Paulo em setembro de 2007

Ítalo Reis, estadão.com.br

13 de março de 2012 | 21h21

SÃO PAULO - Ademir Oliveira Rosário, conhecido como "Maníaco da Cantareira" foi condenado a 57 anos de prisão na noite desta terça-feira, 13, pelos assassinatos e estupros de dois adolescentes na zona norte de São Paulo. De acordo com o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), o cumprimento da pena será inicialmente em regime fechado.

O crime ocorreu em setembro de 2007, quando os corpos dos irmãos Josenildo José de Oliveira e Francisco Ferreira de Oliveira Neto, de 14 e 15 anos, respectivamente, foram encontrados na mata da Serra da Cantareira. Ademir, que foi preso alguns dias depois, também teria abusado sexualmente dos jovens.

O julgamento começou nesta tarde no Fórum de Santana e apenas o réu confesso foi ouvido. O juiz Gilberto Ferreira da Cruz, do 2.º Tribunal de Júri, afirma na sentença que Ademir deve ficar preso. "Por se tratar de réu perigoso e violento, reedito e ratifico o decreto de prisão preventiva, visto que os seus pressupostos fáticos e requisitos jurídicos (genéricos e específicos) estão até agora presentes e reforçados", afirma.

A defesa de Ademir tentou reformar a sentença para que o réu não fosse a júri popular, mas a Justiça negou o pedido, afirmando que havia indícios suficientes para que o acusado fosse julgado. O advogado deverá recorrer da decisão.

O outro acusado de cometer os crimes junto com Ademir, Élson José Messagi, foi condenado em outubro de 2009 a 31 anos de prisão. O réu deverá continuar detido no presídio de Taubaté, no interior do Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.