Mancha Verde recebe a maior nota dos internautas

Até agora, Rosas de Ouro ficou em segundo lugar na preferência, seguida pela Tom Maior

Débora Nogueira, do estadao.com.br,

21 Fevereiro 2009 | 17h46

Desfile da Mancha Verde no Sambódromo do Anhembi. Foto: Paulo Liebert/AE     A Escola de Samba Mancha Verde recebeu a maior nota da primeira noite de desfiles em São Paulo, em votação dos internautas do estadao.com.br. A escola obteve nota 8,676. A escola apresentou o enredo "Pernambuco: Uma Nação Cultural". O desfile relembrou a encenação da Paixão de Cristo, que acontece anualmente em Nova Jerusalém, no interior pernambucano, a festa junina de Caruaru e também trouxe os famosos bonecos de Olinda, com oito metros de altura. O desfile foi criado por um novo carnavalesco, Fernando Dias.   Veja também:  Veja galeria de fotos do desfile da Mancha Verde  Você é o jurado: avalie o desempenho das escolas   Blog: dicas para quem quer curtir e para quem quer fugir da folia Especial: mapa das escolas e os sambas do Rio e de SP    Saiba como chegar ao sambódromo    Apesar de pequenos problemas no abre alas e no terceiro carro, a Mancha Verde fez um desfile que arrancou aplausos e elogios do público. Para o presidente Paulo Serdan, os contratempos com os veículos não prejudicaram a apresentação.   Em segundo lugar na enquete dos internautas ficou a Rosas de Ouro com 8,511. A escola foi a segunda a desfilar no Anhembi, e colocou seus 3,8 mil componentes na passarela com o samba enredo "Bem-Vindos à Fábrica de Sonhos", puxado por Darlan Alves Carneiro, com a modelo e atriz Ellen Roche como madrinha da bateria. O objetivo da Rosas de Ouro no Carnaval 2009 foi lembrar daqueles que trabalham nos bastidores durante todo o ano para que o desfile aconteça.   Em terceiro lugar na preferência dos internautas está a Tom Maior, com nota 8,286. A escola ousou em vários quesitos - comissão de frente, carros alegóricos e baianas. O enredo foi em homenagem à Angola, com os integrantes da comissão de frente chorando, fantasias feitas de palha e senhoras de 50 e 60 anos com os seios à mostra. Um problema de evolução no final do desfile, no entanto, deve tirar alguns pontos da escola, reconhece o presidente Marko Antônio da Silva.   A bateria já havia saído do recuo e os integrantes de uma ala à frente dos ritmistas tiveram de correr para encerrar o desfile a tempo, o que deixou espaços vazios entre os integrantes da ala. Mesmo assim, Silva mantém o otimismo: "Dou nota 15 para a escola. Foi maravilhosa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.