André Lessa/AE
André Lessa/AE

Mancha termina a 2 minutos do tempo limite

O dia já estava amanhecendo quando a Mancha Verde terminou o seu desfile de um 1 hora e três minutos, a apenas 2 minutos do tempo limite. Logo no começo da apresentação, a escola despertou a plateia que empunhava bandeirinhas e acendia sinalizadores verdes e brancos.

Circe Bonatelli, Agência Estado

05 Março 2011 | 09h11

Já na despedida, a escola deixou a avenida do sambódromo do Anhembi, em São Paulo, sob uma chuva de papeis picados. Mesmo depois de passar pelo portão de saída, os integrantes continuavam a cantar o samba enredo da agremiação.

O presidente da escola, Paulo Serdan, disse ter ficado satisfeito com o desfile. “Não houve problema. Conseguimos recuperar as alegorias que foram danificadas pela chuva”, disse. “Espero que a escola vá para o desfile das campeãs”, acrescentou.

A Mancha Verde para prestou homenagem à genialidade humana ao longo da História, desde a criação do mundo. Os gênios citados foram de Deus e o seu “sopro” criador, de acordo com a tradição judaico-cristã, até Gutenberg e a imprensa, Leonardo Da Vinci, Shakespeare, Newton e Picasso, entre outros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.