MAM é exemplo de acessibilidade no País

Museu de Arte Moderna de São Paulo: Com espaços sem barreiras, oferece cursos inclusivos

Ana Bizzotto, O Estado de S.Paulo

17 Setembro 2010 | 00h00

Graduada em Artes Visuais, Viviane Sarraf, de 31 anos, começou na faculdade a explorar outros sentidos para tornar a arte acessível e apreciável por deficientes. Hoje especialista e consultora em acessibilidade de museus e centros culturais, ela aponta o Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM) como referência, um dos "raros modelos de museu totalmente acessível" no País.

"Todos os acessos do museu são livres de barreira e eles também têm vários programas e cursos inclusivos", diz Viviane. O Jardim das Esculturas é seu espaço preferido. "Foi feito um projeto arquitetônico com trilhas que facilitam tanto o acesso de cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida quanto de idosos. Deficientes visuais podem tocar as obras e há visitas guiadas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.