Evelson de Freitas
Evelson de Freitas

Major é condenado por fraude no inquérito da Boate Kiss

Oficial teve pena revertida em serviços comunitários e poderá recorrer em liberdade; juiz considerou provas suficientes para condenação

O Estado de S. Paulo

02 de setembro de 2015 | 00h16

SÃO PAULO - O major Gerson da Rosa Pereira foi condenado nesta terça-feira, 1, a seis meses de detenção por fraude em documentos relacionados ao inquérito que investigou as causas do incêndio na Boate Kiss. A pena do ex-chefe do Estado Maior do 4.º Comando Regional dos Bombeiros de Santa Maria foi convertida em prestação de serviços à comunidade e ele poderá recorrer em liberdade. 

A condenação do oficial é a primeira relativa às investigações criminais do incêndio, que aconteceu em 27 de janeiro de 2013 e deixou 242 mortos e 630 feridos. De acordo com o Ministério Público, o major Pereira fraudou um documento com objetivo de induzir a Justiça a erro. Conforme a denúncia, o major teria disponibilizado à polícia documentos que não constavam na pasta do Corpo de Bombeiros.

O juiz Ulysses Fonseca Louzada, da 1.ª Vara Criminal de Santa Maria, considerou suficiente as provas apresentadas para os fatos narrados na denúncia. "Não é crível que justamente a cópia que iria instruir o inquérito policial - de onde sairiam os indiciamentos criminais -, a única cópia autenticada, tenha sido enviada à Polícia Civil sem ter sido conferida, folha a folha, pelo próprio major”, expôs o magistrado. 

“Não é concebível que, inserido no contexto conjecturado, bem como considerada a delicadeza e relevância do caso, tenha a autoridade do Corpo de Bombeiros agido de maneira descuidada, desatenta, mesmo sabendo das eventuais consequências que poderiam advir da conclusão do inquérito”, acrescentou.


Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    Santa MariaBoate Kiss

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.