Instagram/Reprodução
Instagram/Reprodução

Mais um cachorro invade trilhos e causa transtorno no Metrô de SP

Visto na altura da Estação Belém por volta das 7h40, o cão percorreu três paradas e foi localizado uma hora depois na Penha

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

10 Fevereiro 2017 | 08h50

SÃO PAULO - Em menos de três dias, um segundo cachorro driblou os funcionários da Companhia do Metropolitano de São Paulo e prejudicou a circulação de trens em horário de pico da manhã. Desta vez, o animal provocou velocidade reduzida nesta sexta-feira, 10, na Linha 3-Vermelha, a mais movimentada do sistema.

Visto na altura da Estação Belém por volta das 7h40, o cachorro percorreu três paradas e foi localizado uma hora depois na Penha. A distância entre as duas estações é de aproximadamente seis quilômetros.

Ao ser resgatado, o cão foi levado para o Hospital Público Veterinário, no Tatuapé, na zona leste, por seguranças do Metrô. A assessoria de imprensa da Companhia informou que era preciso saber se o animal levou choque ou se machucou durante a corrida.

De acordo com informações do Metrô, nenhuma estação fechou. A velocidade foi reduzida, houve maior tempo de parada e foi realizado contenção de fluxo (controle nas catracas). O Metrô informou que a operação está sendo normalizada após o resgate do animal.

 

Muitos usuários nas redes sociais fizeram piada: "De novo?", escreveu um. Felipe Bacarim comentou no post: "Virou festa agora, dia, sim, dia, não, tem um cachorro na via. Até parece piada". Já o Eric Sander questionou: "Mas o que é isso?! Vai virar febre?".

Muitos usuários duvidaram que o cão esteja vivo. "E o cachorro foi resgatado com vida mesmo? Já tá virando rotina essa 'palhaça'", escreveu Dan Bulhões.

Nesta quarta-feira, 8, na altura da Estação Tiradantes, outro cachorro invadiu o espaço dos trens e obrigou as composições das Linhas 1-Azul e 3-Vermelha a circular com velocidade reduzida e maior tempo de parada. 

Mais conteúdo sobre:
Penha Metrô São Paulo Estação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.