Helio Torchi
Helio Torchi

Mais um bar sofre arrastão na zona sul

Um dia após restaurante ser assaltado na Chácara Santo Antônio, bar no mesmo bairro é invadido; bandidos levam dinheiro e celulares

Elvis Pereira e Pedro da Rocha, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2011 | 00h00

A Chácara Santo Antônio, na zona sul da capital, registrou o segundo arrastão em 24 horas. Um dia após a invasão de um restaurante italiano, três criminosos renderam 20 pessoas no bar Sem Stress, recolheram dinheiro, carteiras e celulares, obrigaram todos a se deitar no chão e fugiram. O dono do bar se queixou da demora da Polícia Militar para atender a ocorrência e, assim como no primeiro caso, ninguém foi preso.

O trio chegou ao bar na Rua Amaro Guerra pouco antes das 23 horas. Armados com revólveres e usando toucas ninjas, desceram de um City preto e dominaram seis clientes que fumavam na calçada. "Um encostou o revólver nas costas da minha amiga e nos mandou entrar", contou um cliente de 24 anos que não quis identificar-se.

Dentro do bar, havia mais 14 pessoas, entre elas o dono, Felipe Zamboni Orioli. "O foco deles eram os clientes, entreguei o dinheiro no susto mesmo. Não gritaram, não foram violentos. Foi muito rápido." Um dos criminosos vigiava a entrada enquanto os demais pegavam celulares e carteiras de clientes.

A cozinheira foi a única a escapar. "Ela estava fritando porção e não percebeu", lembra Orioli. "No final, todo mundo no meio do alvoroço, ligando para a polícia, ela saiu com a porção perguntando: "De quem é, de quem é?". Falei: "Larga essa porção!"

Os ladrões entraram no carro e escaparam. A polícia soube da ocorrência às 22h48. E, segundo o comerciante, chegou ao local por volta das 23h30. "Demorou. Sei que não posso ter uma viatura na minha porta 24 horas. Só que ontem precisei deles e faltou."

Em nota, a PM respondeu: "O próprio solicitante informa que o roubo já havia ocorrido e os infratores não estavam mais no local, bem como as suas características e o veículo usado na fuga. Imediatamente, viaturas foram destinadas ao local para realizarem o cerco policial, a fim de localizar os infratores em fuga."

Onda de roubos. Com a série de assaltos a restaurantes e bares na cidade desde o início do ano, Orioli já temia ser a próxima vítima. "Foi a primeira vez em que fui assaltado. Minha mulher sempre falou que uma hora aconteceria com a gente. Não tem jeito", disse o comerciante, que abriu o bar há três anos. "Vou abrir hoje (ontem) normalmente e bola para frente."

O Sem Stress fica a menos de um quilômetro de um restaurante italiano roubado na noite de quarta-feira. De junho para cá, nove bares e restaurantes foram assaltados na região da Chácara Santo Antonio e Granja Julieta.

CRONOLOGIA

28 de julho

30 clientes da Choperia Compadrio, na Chácara Santo Antônio, são assaltados.

5 de agosto

Quatro ladrões invadem a lanchonete Beef Burguer, na Avenida João Carlos da Silva Borges, na mesma região.

14 de agosto

No Dia dos Pais, quatro assaltantes fazem 50 reféns na Pizzaria Massa Fina, na Avenida João Carlos da Silva Borges.

31 de agosto

Quatro criminosos atacam restaurante italiano na Rua Fernandes Moreira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.