Mais Médicos já provoca demissões no Brasil, diz CFM

O Conselho Federal de Medicina (CFM) diz estar recebendo várias queixas de médicos que denunciaram aos conselhos regionais que estão sendo demitidos para dar lugar a profissionais do Mais Médicos. Segundo Carlos Vital, vice-presidente do CFM, a maioria dos casos se concentra nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2013 | 02h08

De acordo com Vital, o mesmo movimento ocorreu há dois anos, quando o governo lançou o Programa de Valorização da Atenção Básica (Provab), voltado para recém-formados em Medicina. Aqueles que fossem trabalhar pelo menos um ano na atenção básica receberiam uma bolsa de R$ 8 mil e um bônus de 10% na prova de residência.

"Essa é uma situação absolutamente previsível. É uma consequência da falta de autonomia financeira dos Estados e municípios", afirma. "É mais uma constatação da intempestividade do Mais Médicos, que é um programa eleitoreiro."

O CFM está orientando os médicos demitidos a guardar toda a documentação que comprove que a demissão ocorreu sem motivos para que o órgão possa acionar o Ministério Público. "É preciso corrigir essa distorção."

O Ministério da Saúde informou que os municípios são proibidos de demitir profissionais já contratados para substituí-los por participantes do programa. E que aqueles que descumprirem essa regra serão excluídos. / FERNANDA BASSETTE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.