Mais dois suspeitos de roubo a shopping na zona sul de SP são presos

Criminosos invadiram Morumbi Shopping no horário de almoço e levaram peças de joalheria no térreo

Solange Spigliatti, Central de Notícias

28 Fevereiro 2011 | 13h35

SÃO PAULO - Mais dois homens suspeitos de estarem envolvidos no assalto a uma joalheria, no Morumbi Shopping, no começo do mês, foram presos neste fim de semana. Segundo o Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic), para onde a dupla foi levada, ainda nesta segunda-feira, 28, deve ser feito o reconhecimento por algumas testemunhas do roubo.

 

Os dois suspeitos, que eram procurados pela Justiça, foram presos na tarde do último sábado, na Favela Vietnã, zona sul de São Paulo. Um terceiro suspeito morreu após ser baleado por policiais militares. Na quinta-feira, outros dois homens que podem ter participado do crime também foram detidos.

 

Segundo a Polícia Militar, policiais da cavalaria da corporação faziam patrulhamento de rotina quando avistaram um grupo de homens. Ao se aproximarem, os homens correram pelas ruas da favela. Um deles, Rodrigo Silva Galvão, de 23 anos, foi baleado ao apontar uma arma na direção da polícia. Ele foi socorrido ao pronto-socorro Saboia, mas não resistiu aos ferimentos.

 

Com ele foram apreendidos R$ 90,00 em dinheiro, 121 pedras de crack, 90 pinos de cocaína e uma pistola calibre 380. Segundo a PM, após a morte do jovem, os moradores da favela se revoltaram e fizeram um protesto, interditando a Rua Capuavinha, montando uma barricada com madeiras e ateando fogo. A manifestação só foi controlada por volta da 1 hora de domingo.

 

Clayton Gomes de Oliveira e Adauto Leão Guilherme, ambos de 30 anos, foram levados para o 35º DP, no Jabaquara, e depois para o Deic para reconhecimento.

 

Roubo. A joalheria, que fica no piso térreo, foi invadida pelos bandidos que usavam roupas sociais e fingiram ser clientes, antes de sacar suas armas e anunciar o roubo. Com uma marreta, quebraram a vitrine da joalheria e apanharam joias do mostruário.

 

Quando deixaram a loja, os bandidos fizeram um segurança e um cliente reféns e saíram atirando para abrir caminho. Uma vitrine e uma escada rolante foram atingidas pelos disparos. Na saída do prédio do shopping, os criminosos atiraram de novo em direção a clientes e a fumantes nas imediações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.