Mais dois ônibus são queimados por bandidos em SP

Ataques ocorreram nas zonas leste e sul da cidade; ninguém ficou ferido, mas há suspeita de uma ação do PCC

PEDRO ROCHA, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2012 | 03h09

Mais dois ônibus foram queimados, entre a noite de anteontem e a madrugada de ontem, nas zonas leste e sul de São Paulo. Os ataques aumentam a suspeita de uma ação comandada por criminosos ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC). Já são pelo menos cinco casos, desde o fim de semana.

Nos últimos 12 dias, seis policiais militares morreram durante a folga e bases da PM foram atacadas por bandidos. Já há o registro de 40 PMs mortos neste ano. Em 2011, foram assassinados 47, sete em serviço. O governo estadual ainda não sabe se são fatos isolados ou ataques relacionados ao crime organizado.

Por volta das 22h35 de segunda, um ônibus intermunicipal que tinha como destino São Caetano do Sul, no ABC paulista, foi atacado quando passava por Sapopemba, na zona leste. Um adolescente de aproximadamente 14 anos, com uma garrafa cheia de combustível, deu o sinal de parada. Quando a porta se abriu, outros três da mesma idade se aproximaram e um deles, supostamente armado, mandou o motorista descer, antes de os criminosos atearem fogo ao veículo.

Fogo. O outro caso aconteceu na madrugada de ontem na Rua Professor João Semeraro, no Parque Bristol, zona sul. Quatro homens incendiaram um ônibus da empresa Via Sul. O motorista José Jurandir dos Santos, de 31 anos, contou que ele e o cobrador José Sobral da Silva, de 57, aguardavam no ponto quando foram surpreendidos pelos criminosos. "Na hora tentei puxar minha bolsa. Um dos homens não gostou e falou 'vou atirar nesse cara'. Corri então sem pegar nada", disse Santos. Ele contou que um bandido usou um maçarico para atear fogo ao veículo. / COLABOROU WILLIAM CARDOSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.