Mais de 90% da população se sente insegura em São Paulo, indica pesquisa

Segundo levantamento, 56% dos entrevistados afirmaram que sairiam da cidade se pudessem

Artur Rodrigues,

17 Janeiro 2013 | 16h24

SÃO PAULO - A pesquisa dos Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município, da Rede Nossa São Paulo, realizada pelo Ibope, indicou que a grande maioria dos paulistanos está insatisfeito com a vida na cidade. Em uma escala de 1 a 10, a nota atribuída à qualidade de vida foi 4,7. É a pior nota desde que a pesquisa começou a ser feita, há quatro anos.

A segurança pública se mostrou como uma das grandes preocupações dos paulistanos. Segundo a pesquisa, 91% acham pouco ou nada seguro viver na cidade. O item mais lembrado pelos entrevistados foi "violência em geral", seguido por "assalto/roubo". Assim como na última edição, 56% dos entrevistados afirmaram que sairiam da cidade se pudessem. Dos 169 itens, 82% tiveram avaliações negativas.

Os principais temas da cidade tiveram avaliações negativas. Educação teve nota média de 4,8 - no ano passado era 5. A nota da saúde caiu de 5,1 para 4,8.

A administração municipal foi classificada como ruim ou péssima por 35% (cinco pontos mais que no ano passado). A pesquisa também mostrou baixo grau de confiança nas instituições públicas. Os que mostraram maior nível de desconfiança foram Câmara Municipal (69%), Tribunal de Contas do Município (64%), Polícia Civil (60%) e Polícia Militar (60%).

"A população não confia na Prefeitura, na Câmara, no Tribunal de Contas, na polícia. Algo está errado", afirmou Oded Grajew, coordenador geral da Rede Nossa São Paulo.

O prefeito Fernando Haddad (PT) comprometeu-se a discutir anualmente o Plano de Metas do Município e que fará uma administração transparente. "Hoje há uma sensação na cidade de que tem uma negociata por trás de cada obra pública", disse. Ele destacou a complexidade dos problemas que tem para resolver. "Deveria ter na lista de esportes radicais: prefeito de São Paulo", brincou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.