Mais de 5 mil fãs vão ao velório de Chorão em ginásio de Santos

Cortejo com corpo do vocalista do Charlie Brown Jr. foi até o Santos, time do cantor; enterro ocorreu à tarde

ZULEIDE DE BARROS, ESPECIAL PARA O ESTADO/ SANTOS, O Estado de S.Paulo

08 Março 2013 | 02h08

Aplausos e lágrimas de fãs, amigos e parentes acompanharam ontem a saída do cortejo fúnebre de Chorão, vocalista da banda Charlie Brown Jr., do velório no ginásio esportivo Arena Santos, na cidade do litoral sul paulista. O cortejo seguiu para o cemitério Memorial Necrópole Ecumênica, onde o corpo foi enterrado, no fim da tarde.

Chorão foi encontrado morto anteontem em seu apartamento em Pinheiros, zona oeste da capital. Ele faria 43 anos em abril.

Mais de 5 mil pessoas passaram pelo ginásio esportivo, o maior da cidade, onde o vocalista foi velado desde anteontem à noite. Pessoas de todas as idades, e não só adolescentes, prestaram homenagem ao cantor, considerado um grande divulgador da cidade. Chorão era paulistano, mas mudou para Santos aos 17 anos.

A limusine que levou o corpo passou na frente do estádio do Santos, time de coração do cantor, na Vila Belmiro, e na frente do Chorão Skate Park, pista construída pelo vocalista para a prática do esporte, outra paixão sua. Queima de fogos e uma bandeira gigante da torcida Sangue Jovem saudaram o cortejo. Na calçada da pista de skate havia mensagens e flores.

Chorão era bastante popular em Santos, onde era visto com frequência nas praias, na sua pista de skate e na pista pública da Praça Palmares, no bairro de José Menino. Por causa da proximidade que tinha com os fãs na cidade, muitos admiradores criticaram as rígidas normas de segurança no velório e no enterro. Uma quadra antes do cemitério, na Avenida Nilo Peçanha, policiais militares fecharam a passagem de veículos e pedestres, que foram impedidos de entrar no Memorial.

O motoboy Edmílson Ferrari, de 38 anos, que veio de Jundiaí para homenagear o artista, não se conformava com a barreira que manteve os fãs à distância do caixão. "Um cantor que transmitia muita energia positiva para os fãs não poderia ficar assim isolado. Perdemos a chance de prestar a última homenagem ao nosso ídolo", lamentou.

Mais sorte teve Fábio Andrade, de 36 anos, que conseguiu se despedir mais de perto por ser amigo de infância do cantor. Ele levou a filha Bruna Galvão Andrade, de 7 anos, que já pratica skate, inspirada no roqueiro. A menina chorava compulsivamente. "Tinha que trazê-la aqui para se despedir do 'tio', como ela fala", explicou Fábio.

O filho de Chorão, Alexandre Magno Abrão Júnior, de 23 anos, e a mãe do vocalista, Nilda Abrão, que tem 80 anos e sofreu recentemente um acidente vascular cerebral, estiveram no velório, no fim da manhã, e acompanharam o enterro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.