Mais de 10 mil produtos piratas são apreendidos em São Paulo

Maior parte do material era de peças de vestuário; apreensões ocorreram no shopping popular Mundo Oriental

Eduardo Nunomura, O Estado de S.Paulo

10 Março 2009 | 18h09

Agentes recolhem roupas falsificadas nos estandes do shopping popular. Foto: Hélvio Romero/AE   SÃO PAULO - Mais de 10 mil produtos piratas foram apreendidos na manhã de terça-feira, 10, no Shopping Mundo Oriental, na Rua Barão de Duprat, centro da capital paulista. A operação que contou com 75 policiais militares foi feita atendendo a uma liminar judicial obtida pelas empresas Adidas e Reebok. Todas as lojas do shopping foram vistoriadas e 45 lojistas tiveram mercadorias apreendidas. A partir de agora eles estão impedidos de vender artigos contrafeitos dessas marcas, sob pena de serem multados em R$ 20 mil.   Centro de distribuição da muamba, a Região da 25 de Março vem se tornando um novo Paraguai, onde lojistas de todo o País buscam produtos piratas para revender em suas cidades. Na operação, cinco advogados do escritório David do Nascimento, especializado em defender grifes que são alvo dos piratas, estenderam a ação até o Brás.   Maior parte dos produtos aprendidos eram peças de vestuário, como camisetas.Foto: Werther Santana/AE   Na Rua do Hipódromo, número 266, encontraram 2,5 mil bordados sendo feitos em uma confecção equipada de modernos equipamentos. Eles seriam repassados para outra confecção que finalizaria as peças, numa demonstração da sofisticação desse crime. No material apreendido no Mundo Oriental, foram encontrados agasalhos, camisetas e tênis falsificados. Eles foram produzidos no Brasil e na China.   Como os advogados tinham autorização para apreender apenas produtos Adidas e Reebok, vários produtos de outras grifes claramente pirateadas continuaram expostos e não foram levados pelos policiais.   Sacos de lixo com material apreendido na operação da PM após liminar judicial. Foto: Hélvio Romero/AE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.