Imagem Fernando Reinach
Colunista
Fernando Reinach
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Mais árvores que estrelas

Como somos ignorantes. Até ontem haviam mais estrelas na Via Láctea do que árvores no planeta Terra. Hoje existem mais árvores na Terra que estrelas na Via Láctea. O primeiro censo detalhado do número de árvores no planeta demonstrou que existem dez vezes mais árvores na Terra do que acreditávamos. 

Fernando Reinach, O Estado de S. Paulo

12 de setembro de 2015 | 03h00

Para medir quantas árvores existem no planeta os cientistas definiram árvore: qualquer planta que tenha um tronco de mais de 10 centímetros de diâmetro na altura do peito de uma pessoa. Depois estudaram 429.775 locais espalhados pelo planeta. Em cada um desses locais foi determinada a densidade (número de árvores por hectare). Um hectare equivale a um quarteirão de 100 por 100 metros. Nesses 429.775 lugares as medida foram feitas diretamente na mata, contando cada árvore. Em uma terceira etapa foram usadas fotos de satélite de cada uma das áreas inspecionadas no solo. Correlacionando os dados do solo com as fotos, os cientistas criaram um modelo preciso que relaciona a densidade de árvores com sua aparência em fotos de satélite. Feito isso foram obtidas fotos de satélite do todo o planeta. Aplicando o modelo a todas as fotos, os cientistas calcularam a densidade de árvores em cada hectare, de cada continente, em cada ecossistema. Somando tudo, obtiveram o número total de árvores existentes no planeta.

A conclusão é de que existem 3,04 trilhões de árvores no planeta Terra. A estimativa anterior era de 400 bilhões, um número quase dez vezes menor. Desse total 26% das árvores estão nas floresta tropicais, como a Amazônia (799 bilhões) e 24% estão nas florestas boreais, como as existentes no norte da Rússia e do Canadá (749 bilhões). Esses dois ecossistemas respondem por 50% do total de árvores. 

Áreas onde predominam gramíneas, como as savanas africanas, como são muito extensas, também possuem muitas árvores (318 bilhões). Outra descoberta interessante é que as florestas tropicais não são as que possuem a maior densidade de árvores. As floresta boreais e as tundras são as áreas mais densas (750 árvores por hectare na média), podendo chegar a 2.500 árvores por hectare. As florestas tropicais parecem muito densas por causa de cipós e outras plantas, mas as mais densas só possuem 1.700 árvores por hectare.

Como somos quase 7 bilhões de pessoas e existem pouco mais de 3 trilhões de árvores no planeta, existem 422 árvores para cada habitante. Esse é um número bom de lembrar, cada um de nós tem de cuidar de 422 árvores. Mas é ai que a coisa fica triste. Como desmatamos aproximadamente 192 mil quilômetros quadrados todos os anos, os cientistas determinaram que 15,3 bilhões de árvores são derrubadas a cada ano. 

Ou seja, são derrubadas um pouco mais de 2 árvores para cada habitante a cada ano. Por outro lado, se desejamos replantar todas as árvores cortadas a cada ano, cada habitante do planeta, bebê ou ancião, pobre ou rico, terá de plantar duas árvores por ano.

Finalmente os cientistas foram capazes de estimar quanto das árvores existentes no planeta foram dizimadas pelo ser humano desde que inventamos o machado. Outro número assustador. Quase 50% de todas as árvores que existiam no planeta foram cortadas por nós. Dos 6 trilhões que existiam quando inventamos o machado 12 mil anos atrás sobraram 3 trilhões. Pior, grande parte dessa devastação ocorreu nos últimos 500 anos e não nos primeiros 11.500 anos de nossa história.

Antigamente dizíamos que um homem se realizava se plantasse uma árvore, escrevesse um livro e educasse uma criança. Agora sabemos que vivendo 80 anos temos de plantar 160 árvores. E se não fizermos isso o número de estrelas na Via Láctea vai superar novamente o número de árvores na Terra.

MAIS INFORMAÇÕES: MAPPING TREE DENSITY AT A GLOBAL SCALE. NATURE, VOL. 525, PÁG. 201 (2015)

FERNANDO REINACH É BIÓLOGO

Mais conteúdo sobre:
Fernando Reinach

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.