Mais 2 são presos por sequestros no Brooklin

Mais dois acusados de integrar a gangue de jovens de classe média que faziam sequestros relâmpagos no Brooklin, zona sul, foram detidos na madrugada de ontem quando se preparavam para fugir para o Rio. A prisão aconteceu em Taboão da Serra, na Grande São Paulo. O analista de sistemas Juliano de Souza Rosa e Alexandre França, ambos de 22 anos, estavam em um Hyundai i30 roubado.

CAMILLA HADDAD, O Estado de S.Paulo

02 de agosto de 2012 | 03h02

Um terceiro suspeito, identificado como Anderson, também foi preso. Ele não tem relação com os crimes, mas vai responder por receptação por estar no veículo roubado. No carro foram recolhidos R$ 1.200, US$ 100 e seis celulares. No porta-malas havia várias camisetas importadas.

Segundo o delegado Eduardo Camargo Lima, titular do 96.º Distrito Policial (Brooklin), Juliano e Alexandre tiveram a prisão temporária de cinco dias decretada. Eles já foram reconhecidos. Juliano aparece em imagens de câmeras de segurança fazendo compras supostamente com o cartão de uma vítima. Alexandre, segundo a polícia, é filmado em uma lanchonete usando cartões bancários.

Ontem, mais quatro pessoas estiveram no DP para fazer o reconhecimento dos acusados. E todas, segundo a polícia, confirmaram o envolvimento de algum deles. Só um - o auxiliar de cozinha Raphael Guilherme dos Santos, de 21 anos - já tinha passagem pela polícia.

O grupo se autodenominava Galera do Rela, em alusão a sequestro relâmpago. Depoimentos obtidos pela reportagem confirmam que os suspeitos ostentavam uma vida glamourosa: um de seus hábitos era se reunir em camarotes de boate, onde exibiam cédulas de dólares e reais. Lá, recrutavam mais criminosos. Um dos jovens revelou que, além de reterem as vítimas, outros colegas clonavam cartões e vales-refeição e até adulteravam chassis de veículos. Pelo menos 50 sequestros são atribuídos ao grupo nos últimos seis meses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.