Mãe morre em Perdizes ao tentar defender o filho

Jovem diz que a abordagem inicial ocorreu na Barra Funda e ele foi obrigado a levar o ladrão até a sua casa

O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2012 | 03h03

A 3.ª Delegacia de Chacinas e Latrocínios do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) vai investigar o assassinato de Magda Aparecida Galasso Gomes, de 53 anos, morta a facadas às 13h30 de sábado, depois de defender o filho, de 22 anos, durante um assalto em seu apartamento na Rua Apinajés, em Perdizes, na zona oeste da capital paulista.

No depoimento que prestou no 23.º Distrito Policial, onde o caso foi inicialmente registrado, o filho de Magda conta que o caso começou na Rua Barra Funda, na zona oeste, enquanto ele dirigia seu carro Focus. Ao parar no sinal vermelho, foi abordado por dois homens em uma moto.

Os dois roubaram R$ 400 e depois pediram ao jovem que entregasse a eles o cartão de crédito para efetuar saques em caixas eletrônicos. Como disse que havia esquecido o cartão em casa, um dos ladrões entrou no carro e obrigou o jovem a levá-lo ao apartamento para buscar o cartão. Os dois entraram pela garagem para subir até o apartamento.

No local, roubaram R$ 600 em notas, dois telefones celulares, uma faca de cozinha e um punhal. Quando os ladrões se preparavam para deixar a casa, ameaçaram o jovem, quando sua mãe entrou na frente e recebeu diversas facadas no tórax, no pescoço e na barriga.

Depois, eles obrigaram o filho a trocar de roupa para acompanhá-los. O jovem se recusou e os ladrões fugiram. O caso foi registrado no 23.º DP como latrocínio e foi enviada para o local do crime uma equipe de perícia.

Estatística. Foi o primeiro latrocínio registrado na região do 23.º Distrito Policial desde janeiro do ano passado. O DP foi um dos 49 entre os 93 distritos da capital que não registraram nenhum caso de latrocínio no ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.