Mãe foge do hospital para ir a enterro da filha, morta por alegoria em Santos

Solange Aparecida Noronha deixou a Santa Casa de Misericórdia de Santos, onde estava internada desde terça-feira, sem autorização dos médicos. Em uma cadeira de rodas por causa dos ferimentos nos pés e pernas, ela fez questão de ir ao velório e enterro da filha, a promotora de eventos Mirela Diniz Garcia, de 19 anos, que morreu eletrocutada na madrugada de terça, depois que o carro alegórico da Escola Sangue Jovem atingiu a rede elétrica já fora da área de dispersão.

O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2013 | 02h02

Mirela estava sentada em uma cadeira de alumínio na porta de casa, junto a outras pessoas da vizinhança. Momentos antes, havia pedido que tirassem a filha de 3 anos do local.

O clima era de consternação ontem, quando foram enterrados os corpos dos quatro mortos no acidente - além de Mirela, morreram três homens que empurravam o carro alegórico Rei da Bola, em homenagem a Pelé. O ajudante de pedreiro Leandro Monteiro, que completaria 27 anos ontem, foi enterrado no Cemitério Municipal de São Vicente. Ele ganharia R$ 40 para empurrar o carro. Leandro era casado e tinha cinco filhos.

Ludenildo da Silva Militão, de 25 anos, que era amigo de infância de Leandro, foi enterrado no mesmo cemitério. Já o organizador de eventos Wictor Ferreira, de 29, foi sepultado no Cemitério da Filosofia, em Santos.

Quatro das nove pessoas feridas no acidente permaneciam internadas ontem. O quadro delas era estável, mas ainda não havia previsão de alta, de acordo com o hospital.

A Polícia Civil continua a perícia no veículo. Ainda não se sabe se a barra de direção do carro quebrou - e por isso o condutor perdeu o controle e esbarrou na calçada, atingindo os fios de alta tensão.

De acordo com a CPFL, concessionária de energia, houve uma descarga superior a 13 mil volts sobre o carro, que havia acabado de desfilar, trazendo o ex-craque Coutinho, companheiro de Pelé, como destaque, e 22 crianças. Após o incêndio, o pai de um dos garotos afirmou que o veículo estava com problemas e chegou a ser cogitada a possibilidade de ele não sair no desfile. / ZULEIDE DE BARROS, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.