Mãe é presa acusada de matar filha com ajuda da companheira

De acordo com a polícia da Praia Grande, menina de 14 anos foi morta porque perdeu uma mochila com drogas que seriam distribuídas na cidade; ex-marido teria ajudado a ocultar o corpo

Gheisa Lessa, O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2012 | 14h05

São Paulo, 8 - Uma mulher de 28 anos foi presa na última segunda-feira, 6, após confessar o assassinato de sua filha de 14 anos, encontrada morta no dia 15 de julho, na Rodovia Anchieta, na altura de São Bernardo do Campo, Grande São Paulo. Ana Luiza Ferreira, mãe da menina, foi detida na Praia Grande, litoral paulista, perto de sua casa.

A Polícia Civil também cumpre mandados de prisão temporária contra outros dois suspeitos de terem participado do crime: Elizabeth Santos, atual companheira de Ana Luiza, e Carlos José Souza, ex-marido de Ana Luiza.

De acordo com a polícia, em depoimento no 1º DP da Praia Grande, Ana Luiza contou que resolveu matar a garota porque ela perdeu uma mochila com drogas que seriam distribuídas entre pontos de tráfico na periferia da Praia Grande. Mãe e filha trabalhavam no transporte dos entorpecentes para traficantes da região, segundo o depoimento.

Ana Luiza disse que conversou com sua companheira sobre a situação e ambas espancaram a adolescente até a morte. O laudo da perícia técnica afirma que Ana Beatriz, além de fraturas no nariz e no maxilar, também sofreu asfixia.

Com a morte da garota, as mulheres entraram em contato com Carlos José Souza, ex-marido de Ana Luiza, para que ele ajudasse a ocultar o corpo. Souza, mais conhecido como "Azeitona", já foi preso por tráfico de drogas e cumpriu a pena do crime, segundo a Polícia Civil. O ex-marido usou o carro da mãe da jovem para levar o corpo até a Anchieta. Indícios de sangue foram encontrados por peritos no porta-malas do veículo, um Ford Fiesta.

O corpo da menina foi achado no último dia 15, na altura do km 42 da Rodovia Anchieta, na região de Riacho Grande, em São Bernardo do Campo. A menina Ana Beatriz vestia o uniforme da escola, localizada no litoral paulista.

A partir do resultado da perícia no veículo da mãe da garota, o delegado do 1 º DP de Praia Grande, Luiz Evandro Medeiros, solicitou os mandados de prisão temporária dos três supostos envolvidos, decretados na última segunda-feira, 6.

Ana Luiza foi detida no mesmo dia nas intermediações de sua residência, no Jardim Anhanguera, zona norte da cidade. Antes da prisão, vizinhos afirmaram que a família havia se mudado do local.

Um dia depois do encontro do corpo da jovem, Ana Beatriz tentou despistar a polícia, registrando um boletim de ocorrência em que dava queixa do sumiço da filha. A denúncia, de acordo com o delegado, foi uma tentativa de se livrar da autoria do crime.

O inquérito continua aberto mesmo com a prisão da mulher. A Polícia Civil busca os outros dois suspeitos de envolvimento no crime e realiza nesta quarta-feira a reconstituição do assassinato na residência onde mãe e filha moravam.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.