Polícia Civil
Polícia Civil

Mãe e padrasto são presos sob acusação de matar criança e enterrar o corpo

Casal enterrou corpo ao lado de uma rodovia, mas teria confessado crime e levado polícia ao local

Rene Moreira, especial para O Estado

21 Janeiro 2019 | 11h27

FRANCA – Um casal foi preso na noite deste domingo, 20, em Cruzeiro (SP), sob a acusação de espancar até a morte um menino de 3 anos. Os suspeitos são a mãe e o padrasto da criança. Segundo a polícia, eles enterraram o corpo ao lado de uma rodovia para tentar escondê-lo, mas, depois, teriam confessado o crime. 

João Pedro Albano Ribeiro estava desaparecido desde a manhã de sábado, 19, e familiares vinham fazendo buscas na tentativa de encontrá-lo. Eles haviam sido acionados pelo pai do garoto, Juan Ribeiro, que soube por meio da ex-mulher que o filho havia sumido ao ir ao banheiro, que fica no lado externo da residência.

Neste domingo, em interrogatório, a mãe, Taís Albano, teria confessando que o filho estava morto, mas negou que as agressões tivessem sido o motivo. Segundo a polícia, ela afirmou que costumava bater na criança para educá-la. Ainda de acordo com os investigadores, Taís disse que o menino teve diarreia, vômitos e acabou morrendo.

O padrasto, cujo nome não foi revelado, deu uma versão diferente. Segundo ele, a mãe teria espancado o filho até a morte. Ele afirmou ainda que os dois resolveram enterrar o corpo após notarem que o menino já estava desfalecido.

O casal levou a polícia até um matagal, ao lado da Rodovia SP-52, na saída da cidade. O corpo foi desenterrado e enviado ao Instituto Médico Legal (IML), para análise. O enterro está previsto para esta segunda-feira, 21.

O padrasto tem passagens por furto e roubo; já a mulher não possuía ficha policial. Após confessar o crime, o casal foi autuado em flagrante e preso por homicídio e ocultação de cadáver. Já o pai, que vinha requerendo a guarda do filho, passou mal e precisou ser medicado ao saber de sua morte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.