Mãe e filho foram executados dentro de casa

Um dos mais brutais casos investigados pela Polícia Civil a respeito da ação do grupo de extermínio de Guarulhos envolve as mortes do estudante Lucas André Pessoa de Souza, de 22 anos, e de sua mãe, Maria de Fátima Pessoa de Souza, de 40. O crime aconteceu no dia 10 de novembro de 2012, às 16h30, dentro da casa da família de comerciantes, donos de uma pizzaria na Rua Barra dos Mendes, na região do Jardim São João.

O Estado de S.Paulo

24 Abril 2013 | 02h02

A área começou a ser sacudida por uma série de crimes após o início dos ataques do PCC contra policiais. As execuções começaram em 23 de junho e perderam força em agosto, recrudescendo em setembro, depois que, no dia 5, o soldado Ismael Alves dos Santos, do 44.º Batalhão, foi executado em um mercado a tiros de revólver.

Nos dois meses seguintes, três suspeitos do assassinato foram executados - um deles com cerca de 30 tiros - por encapuzados. O crime na pizzaria estaria ligado a essa onda. Isso porque o lugar seria frequentado por bandidos da região. Os proprietários do lugar, no entanto, não mantinham nenhuma relação com os bandidos. Mas os assassinos pouco se importaram.

Perseguiram o estudante pela rua. Lucas entrou na pizzaria da família. Os matadores o seguiram. Marcas de tiro pontuam o trajeto da fuga do rapaz, finalmente encurralado no corredor da casa. Ali, sem ter como se defender, foi executado. Uma bala perdida perfurou a porta da sala da casa - a família vivia nos fundos da pizzaria - e acertou a mãe do jovem, que estava sentada no sofá.

Na pressa, os criminosos deixaram um coldre para trás. A perícia achou no lugar cápsulas de bala de calibre 40. Fabricadas pela CBC, pertenciam ao lote AAY68. A empresa informou que vendeu esse lote à Polícia Militar de São Paulo. / M.G.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.